EFE/CRISTIAN HERNÁNDEZ
EFE/CRISTIAN HERNÁNDEZ

Coleta de assinaturas para referendo na Venezuela será entre 24 e 30 outubro

Reitora do Conselho Nacional Eleitoral do país confirmou a data na segunda-feira; coalizão opositora convocou seus seguidores a uma simbólica "Tomada de Caracas", na quinta-feira para esclarecer a realização da coleta

O Estado de S. Paulo

30 Agosto 2016 | 10h48

CARACAS - A reitora do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) da Venezuela, Socorro Hernández, confirmou na segunda-feira 29 que a oposição poderá coletar as quatro milhões de assinaturas necessárias para ativar o referendo revogatório contra o presidente Nicolás Maduro na semana de 24 a 30 de outubro.

O órgão eleitoral já havia anunciado que a coleta de assinaturas de 20% do padrão eleitoral poderia ser no final de outubro, mas a aliança de oposição Mesa da Unidade Democrática (MUD) convocou uma marcha para esta quinta-feira em Caracas para exigir que fosse divulgada a data exata da convocação e o referendo seja realizado ainda este ano.

"A exigência (opositora) realmente já tem uma resposta: essa coleta de 20% será feita entre 24 de outubro e 30 de outubro. É nessa semana, e são três dias" de coleta, disse Hernández, em entrevista ao canal privado Venevisión.

A reitora não especificou o dia exato do início do processo de coleta de rubricas e disse que "provavelmente" o CNE pedirá em outubro que as quatro milhões de assinaturas sejam obtidas de forma pública, com 20% proporcional do padrão em cada um dos 24 Estados do país.

Esse ponto foi criticado em junho passado pela oposição, que acusou o CNE de dificultar a coleta. A MUD convocou seus seguidores a uma simbólica "Tomada de Caracas", em 1º de setembro próximo. O governo alega que essa manifestação tem como objetivo deflagrar a violência para justificar um golpe de Estado contra Maduro.

Já os opositores garantem que sua marcha será pacífica e é o governo quem tem a intenção de gerar violência com a convocação de "contramarchas" para a mesma data. / AFP

Mais conteúdo sobre:
Venezuela Nicolás Maduro

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.