Colete com bombas não detonadas é encontrado em Kampala

Achado indica intenção de um terceiro ataque; Quatro pessoas são presas por susposto envolvimento no caso

Associated Press

13 de julho de 2010 | 12h55

KAMPALA - Investigadores encontraram um colete suicida não explodido em um salão de discoteca na capital de Uganda, o que sugere que militantes haviam planejado um terceiro atentado durante a Copa do Mundo, disseram autoridades nesta terça-feira, 13. Quatro suspeitos estrangeiros foram detidos em conexão com o achado.

 

A descoberta de um colete de suicídio em um subúrbio de Kampala, na segunda-feira foi consistente com o que foi visto nos dois locais de explosão em Kampala, disse o inspetor geral da polícia, Kale Kaihura. O colete continha rolamentos de esferas, assim como as bombas que explodiram neste domingo. Autoridades acreditam que terroristas suicidas participaram nas explosões gêmeas durante a Copa do Mundo.

 

"O que nós encontramos aqui é consistente com o que encontramos em ambas as cenas do crime. E por isso esta é uma vantagem muito importante em nossa investigação", disse Kaihura.

 

Quatro pessoas foram presas em conexão com a descoberta do colete com as bombas não deflagradas, disse Edward Ochom, diretor de investigações criminais. Ele disse que os quatro não eram do Uganda, mas não diz suas nacionalidades. Kale sugeriu que cidadãos somalis podem estar entre os detidos.

 

Kaihura disse que um grupo militante da Uganda - a Forças Democráticas Aliadas - também pode ter desempenhado um papel no ataque. Como al-Shabab, o ADF é essencialmente um grupo muçulmano radical.

 

O número de mortos do ataque de domingo subiu para 76, Kaihura Said. Autoridades encontraram um colete à prova de bombas, detonadores, cabos e rolamentos em um saco na discoteca semelhante a uma bolsa de laptop, disse ele.

 

A al-Shabab, o grupo militante mais perigoso da Somália, assumiu a responsabilidade pelos ataques. Os islamistas exigem que Uganda retire suas forças de paz da União Africana da Somália.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.