ALAIN JOCARD / AFP
ALAIN JOCARD / AFP

'Coletes amarelos' retomam protestos e ato termina com 200 presos em Paris

Manifestação era contra o presidente Emmanuel Macron e pedia mais ajuda aos trabalhadores atingidos pela pandemia do novo coronavírus

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de setembro de 2020 | 11h56

PARIS - Os protestos dos chamados "coletes amarelos"  foram retomados neste sábado, 12, em Paris, e terminaram com a prisão de pelo menos 200 pessoas, segundo as autoridades. Os manifestantes gritaram palavras de ordem contra o presidente Emmanuel Macron e pediram auxílio aos mais pobres, muito atingidos pela pandemia do novo coronavírus.

Desde as primeiras horas das manifestações em Paris, o departamento de polícia divulgou a quantidade de detidos e mostrou imagens de objetos apreendidos e pessoas sendo abordadas.

Em algumas, que foram exibidas por emissoras de televisão francesas, manifestantes aparecem incendiando lixeiras e erguendo barricadas diante da polícia, que respondeu com bombas de gás lacrimogêneo.

Além de Paris, diversas capitais de províncias da França tiveram protestos dos "coletes amarelos". Lideranças de esquerda, como Jean-Luc Mélenchon e Fabien Roussel, apoiaram os atos.

Na convocação dos protestos, o organizador, Jérôme Rodrigues, pediu que as pessoas voltassem às ruas para denunciar as "injustiças sociais e fiscais" que, segundo ele, aumentaram no país durante a pandemia.

O movimento dos "coletes amarelos" começou em 2018 e, inicialmente, tinha como alvo um aumento no imposto dos combustíveis. Depois, as manifestações passaram a ter outras demandasm, que iam desde o pedido de mais empregos até a proteção. pelo governo, dos mais pobres.  / AP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.