EFE/Rael Martínez
EFE/Rael Martínez

Coletivos ligados ao governo Maduro atacam Assembleia Nacional 

É a segunda vez, desde 2015, que coletivos chavistas invadem o Parlamento

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de fevereiro de 2019 | 22h19

CARACAS - A oposição venezuelana denunciou nesta quarta-feira, 27, que um grupo de cerca de 30 pessoas que fazem parte de coletivos chavistas tentaram invadir a sessão da Assembleia Nacional, de maioria opositora, momentos antes de a sessão começar.

“O grupo de 30 pessoas, todas identificadas como parte do coletivo União Chavista, tentou invadir a sessão da Assembleia quando ela estava em pleno andamento” escreveu o deputado opositor Winston Flores, em sua conta no Twitter.

O parlamentar acrescentou em outra mensagem, momentos depois, que um dos membros do grupo ameaçou um dos funcionários da Assembleia Nacional com uma arma de fogo. Em imagens transmitidas no canal VPI on-line era possível ver uma luta entre um grupo de pessoas e os seguranças do plenário do Parlamento. Manifestantes começaram a gritar que tinham vindo para pedir “paz” e protestar contra a “interferência estrangeira” no país. 

Diversos deputados deixaram a Assembleia para tentar mediar a situação. É a segunda vez, desde 2015, que coletivos chavistas invadem o Parlamento. Em 2017, cinco deputados opositores ficaram feridos. Desta vez, não houve feridos. 

A Assembleia da Venezuela estava reunida  para discutir um relatório do comitê de acompanhamento para a ajuda humanitária coletada na Colômbia, Brasil e na Ilha de Curaçao, e que foi bloqueado no sábado por funcionários do governo de Maduro. / EFE

Mais conteúdo sobre:
Venezuela [América do Sul]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.