Colômbia abre negociação com paramilitares

O governo colombiano lançou oficialmente hoje um esforço de paz com o objetivo de desmobilizar pelo menos 12.000 combatentes paramilitares de direita até 2006, e concedeu aos comandantes das forças irregulares um refúgio no qual estarão livres de processo ou prisão. O presidente Alvaro Uribe definiu um prazo de seis meses, a partir de hoje, para a elaboração de um acordo com as Autodefesas Unidas da Colômbia (AUC). As AUC são um grupo clandestino criado para combater a guerrilha comunista e é acusado de algumas das maiores atrocidades cometidas na guerra civil colombiana. Jornalistas foram impedidos de entrar no local das negociações. O enviado de paz do governo, Luis Carlos Restrepo, e o observador da OEA, Sergio Caramagna, dirigiram-se ao refúgio dos paramilitares.?O governo declara aberto o processo de diálogo, negociação e assinatura de acordos?, diz uma nota do gabinete presidencial. O principal chefe dos paramilitares, Salvatore Mancuso, e três outros líderes das AUC receberam também permissão de falar perante o Congresso em 7 de julho, para expor seus planos de desmobilização.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.