Colômbia aprova saída de Chávez

O governo e políticos da Colômbia expressaram hoje satisfação pela solução da crise venezuelana com a saída do presidente Hugo Chávez e a ascensão ao poder de uma junta provisória tendo à frente o dirigente empresarial Pedro Carmona. A chanceler colombiana, Clemencia Forero, assegurou que com o novo governo poderão ser normalizadas as relações com a Venezuela, que foram alteradas por denúncias sobre uma suposta presença de guerrilheiros colombianos em território venezuelano, com a complacência de Chávez. Forero qualificou tais denúncias como episódios "muito delicados e nossa política foi manejá-los com responsabilidade e grande prudência". "Esperamos que se possam reconstruir as relações de cooperação, integração e entendimento que sempre tivemos", afirmou a chanceler colombiana em entrevista à rádio Caracol falando de San José, na Costa Rica, onde assiste à reunião do Grupo do Rio.Forero acrescentou que Carmona é "um amigo da Colômbia e um integracionista". Para a ex-chanceler María Emma Mejía, a queda de Chávez foi "uma queda anunciada" após seus confrontos com sindicatos, empresários e a grande maioria do povo venezuelano.Para o presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, Jimmy Chamorro, "Uma das razões mais contundentes da queda de Chávez foi sua suspeita relação com as guerrilha das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), que ele nunca pôde explicar satisfatoriamente".Leia tudo sobre a crise na Venezuela

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.