Colômbia apura morte de governador e ex-ministro

O presidente Alvaro Uribe fez uma viagem de emergência a Medellín para checar notícias, não confirmadas, de que um governador de Estado e um ex-ministro da Defesa, seqüestrados há um ano pelas Farc, foram executados, segundo fontes do governo. Guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia seqüestraram o governador do Estado de Antioquia, Guillermo Gaviria, e o ex-ministro da Defesa Gilberto Echeverri em 21 de abril de 2002, durante uma passeata pela paz no noroeste da Colômbia.As Farc também mantêm reféns dezenas de políticos, soldados e policiais, para serem trocados por rebeldes encarcerados.Um oficial do Ministério da Defesa, que pediu para não ser identificado, disse que Uribe recebeu as notícias sobre a possível morte dos dois enquanto voltava de um outro departamento (Estado) para Bogotá. O avião de Uribe foi desviado para Medellín, capital de Antioquia, quando o presidente ouviu a notícia, segundo o oficial. Uribe, que tem adotado uma linha dura contra os rebeldes esquerdistas, foi governador de Antioquia em meados da década de 90.Notícias na mídia local deram conta de que Gaviria e Echeverri estavam mortos, mas autoridades no escritório de Uribe e no Ministério da Defesa afirmaram que as mortes ainda não haviam sido confirmadas. Mais cedo nesta segunda-feira, Uribe havia rejeitado a idéia de trocar políticos seqüestrados por rebeldes presos.Gaviria foi seqüestrado enquanto liderava uma passeata de paz até a vila de Caicedo, a fim de se reunir com comandantes das Farc. Echeverri era um alto assessor em assuntos de segurança de Gaviria.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.