Fernando Vergara/AP
Fernando Vergara/AP

Colômbia autoriza uso de ‘toda a força do Estado’ contra grupos criminosos do país

Nova estratégia de segurança será aplicada contra grupos armados organizados ou com maior capacidade hostil. Em 24 horas, autoridades prenderam 90 membros de organizações criminosas

O Estado de S. Paulo

06 Maio 2016 | 14h54

BOGOTÁ - A Colômbia autorizou o uso de "toda a força do Estado", incluindo bombardeios aéreos, contra os principais grupos criminosos do país, em uma mudança da estratégia de segurança do governo, informou na quinta-feira o ministro da Defesa, Luis Carlos Villegas.

"A 'Diretiva 15' permite a aplicação de toda a força do Estado, sem exceção, aos grupos armados organizados ou aos grupos que tenham maior capacidade hostil", disse Villegas em sessão especial da comissão do Senado em Apartadó, região do noroeste do país.

A nova estratégia de segurança seria aplicada a partir da última quinta-feira contra o Clã Úsuga, Los Pelusos e Los Puntilleros, os três principais grupos criminosos do país, também qualificados de "grupos armados organizados", que possuem acampamentos, armas pesadas, uniformes e presença territorial, segundo o ministro.

"Essas três organizações, a partir de hoje (quinta-feira), serão perseguidas de forma autônoma ou coordenada pelas forças militares e pela polícia", disse o ministro em Apartadó, próximo ao golfo de Urabá, área de influência do Clã Úsuga, maior grupo criminoso do país.

Apenas nas últimas 24 horas, as autoridades detiveram 90 membros destas organizações criminosas, anunciou Villegas.

O uso da força do Estado inclui "operações de assalto aéreo com forças especiais, emboscadas, atiradores de elite e apoio de fogo de artilharia", detalharam funcionários do governo.

O presidente Juan Manuel Santos, envolvido em uma cruzada contra os grupos criminosos, disse em uma entrevista recente que "se a legislação lhe permitisse" bombardearia os criminosos.

O Clã Úsuga, surgido de dissidentes da desmobilização de paramilitares promovida pelo governo do presidente Álvaro Uribe entre 2003 e 2006, é acusado de enviar toneladas de cocaína para os EUA, e seu desmantelamento é o principal objetivo dentro da ofensiva estatal.

Desde o início do ano, o governo já capturou ou matou mais de mil membros dos grupos criminosos organizados, segundo números oficiais.

O conflito interno colombiano, iniciado como uma revolta camponesa em 1964, envolveu guerrilhas, paramilitares e agentes do Estado, deixando 260 mil mortos, 45 mil desaparecidos e 6,8 milhões de deslocados.

Mudanças. A militarização da luta contra os bandos criminosos supõe uma mudança na política de segurança do governo de Santos, que torna uma "nova guerra necessária", segundo Jorge Restrepo, diretor do centro de análise Cerac.

"É uma nova guerra porque vai utilizar a força militar, que é letal e busca a redução do inimigo, a diferença da polícia, que cumpre ordens judiciais de captura", explicou o analista. "E é necessária pela capacidade de geração de violência que estes grupos têm", acrescentou.

"Além dos bombardeios, a militarização implica que as operações não necessitam de judicialização porque se voltam a um objetivo militar", detalhou Restrepo, que assegurou que fazia quase uma década que o Ministério da Defesa da Colômbia não se expressava com a dureza que apresenta com a nova ordem, que provoca "um risco de violação dos direitos humanos, não só dos membros destes grupos, mas também das comunidades".

Os especialistas consideram os bandos criminosos o principal objetivo de segurança em um eventual cenário de pós-conflito com as guerrilhas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e ELN, com as quais o governo de Santos busca colocar um fim a mais de 50 anos de conflito armado.

Existe, contudo, um debate sobre a definição destes grupos armados. Enquanto a guerrilha das Farc as considera paramilitares, o governo assegura que são grupos criminosos dedicados ao narcotráfico e à mineração ilegal, surgidas após uma massiva desmobilização dos esquadrões de ultra-direita durante o mandato de Álvaro Uribe (2002-2010). /AFP

Mais conteúdo sobre:
Colômbia segurança criminosos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.