Colômbia captura 25 supostos colaboradores do ELN

A polícia colombiana anunciou hoje a captura de 25 supostos colaboradores do grupo guerrilheiro Exército de Libertação Nacional (ELN) em vários municípios no noroeste do país. Os detidos, segundo informações do coronel Omar González, comandante da polícia no departamento (Estado) de Santander, são 24 homens e uma mulher que foram acusados de participar de uma "rede de apoio logístico" da frente "Capitão Parmenio" do ELN, que opera em vários municípios de Santander.

AE-AP, Agencia Estado

30 de março de 2009 | 16h15

"Eles se disfarçavam entre a população. Quer dizer, como agricultores e pecuaristas, e aproveitavam essa condição para facilitar o apoio logístico e de informações valiosas para o grupo guerrilheiro", disse González por telefone. "Eles também se encarregavam de identificar possíveis vítimas de extorsão para assegurar a sobrevivência do ELN, um grupo que já está bastante dizimado", afirmou o militar.

As 25 pessoas foram capturadas ontem durante várias operações feitas nos municípios de Socorro, Simacota, Chima e El Hato, em Santander. Os detidos foram postos sob custódia das autoridades judiciais acusados de rebelião e extorsão. González afirmou que a frente do ELN é dirigida pelo guerrilheiro de codinome "Mono Fabio" e é integrado por apenas seis guerrilheiros, ajudados por colaboradores que vão de familiares a camponeses da região.

O ELN é um guerrilha colombiana que atua principalmente no norte do país e foi fundada na década de 1960. Nos últimos anos, o ELN se enfraqueceu muito, atingido pelas operações militares e também por grupos ilegais de direita como os paramilitares.

Tudo o que sabemos sobre:
ColômbiaELNguerrilha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.