Colômbia captura grupo de militares do Equador

A chancelaria colombiana informa que 11 militares do Exército do Equador foram capturados ontem, ao cruzarem a fronteira. O grupo de militares foi devolvido neste domingo, em uma ponte fronteiriça.

AE, Agencia Estado

09 de agosto de 2009 | 16h00

Os militares equatorianos foram detidos no sábado em uma zona rural do município de Puerto Leguízamo, mais de 500 quilômetros ao sul de Bogotá, segundo o Ministério de Relações Exteriores. "O Exército da Colômbia capturou um oficial, um suboficial e nove soldados pertencentes ao Exército equatoriano, a mais de 300 metros da fronteira", conforme a nota. A chancelaria não indicou se a passagem pela fronteira pode ter sido um erro, na região de selva, ou o que fazia a patrulha naquele local.

O prefeito de San Miguel, Ruperto Benavides, confirmou, por telefone, que os militares foram devolvidos na manhã deste domingo. Benavides acrescentou que os militares estavam desarmados quando foram capturados, sem dar mais detalhes.

No Equador, o ministro de Segurança, Miguel Carvajal, confirmou que os militares passaram "ao lado colombiano" e esclareceu que isso "é parte dos incidentes que involuntariamente podem ocorrer na fronteira", segundo a emissora colombiana RCN. O ministro acrescentou que as autoridades equatorianas investigavam o caso.

Equador e Colômbia romperam relações diplomáticas no dia 3 de março de 2008, dois dias depois de um ataque de militares colombianos em território do Equador. Na ação, perto da fronteira, morreu o então número dois das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

Desde então, o governo do presidente equatoriano, Rafael Correa, pede que Bogotá "controle" seu lado da fronteira comum, de 500 quilômetros de extensão, para evitar a passagem de rebeldes e narcotraficantes, entre outros grupos armados ilegais.

As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
ColômbiaEquador

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.