Colômbia deporta estrangeiros de "zonas especiais"

Seis estrangeiros foram deportados no último mês por entrarem sem autorização oficial nas "zonas especiais" controladas pelo Exército da Colômbia. A ministra colombiana de Relações Exteriores, Carolina Barco, informou que os estrangeiros não estavam autorizados a realizar qualquer atividade diferente da turística. A chanceler indicou que alguns desses estrangeiros entraram no país com visto de turismo e resolveram entrar em localidades incluídas nas chamadas "zonas de reabilitação", ou "zonas vermelhas", por seu nível de violência.Segundo a ministra, todos os estrangeiros que chegarem ao país como representantes de organizações internacionais não-governamentais deverão se apresentar à polícia de estrangeiros para obterem autorização de mobilização. Barco disse que são medidas destinadas a garantir a segurança dos próprios visitantes. A chanceler, falando na terça-feira perante a Comissão de Assuntos Internacionais da Câmara, disse ter advertido os embaixadores sobre tais medidas de controle. Alguns desses estrangeiros entram nessas zonas em busca de informações sobre o cumprimento das normas de direito internacional humanitário por parte das forças militares que as controlam. O governo do presidente Alvaro Uribe criou duas "zonas de reabilitação"- uma em Arauca, na fronteira com a Venezuela, e outra em Sucre, no norte do país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.