EFE/Andrew Gombert
EFE/Andrew Gombert

Colômbia diz que guerra às drogas fracassou e pede nova estratégia

Presidente Santos afirma que a dependência é uma questão de saúde pública, que não deve ser tratada no âmbito criminal

Cláudia Trevisan, Enviada Especial / Nova York, O Estado de S. Paulo

21 Abril 2016 | 20h27

Líder do país que é o maior produtor de cocaína do mundo, o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, disse nesta quinta-feira na ONU que a guerra às drogas fracassou e é necessário um novo “consenso global” para enfrentar o problema. Santos afirmou que o consumo de drogas é uma questão de saúde pública, que não deve ser tratada no âmbito criminal.

“As prisões são para delinquentes, não para dependentes, que – diga-se de passagem– se tornam delinquentes nas prisões”, declarou em discurso na Sessão Especial sobre Drogas da Assembleia-Geral da ONU, encerrada ontem em Nova York. 

Mas Santos ressaltou que não é favorável à legalização de substâncias ilícitas e o combate ao tráfico continua a ser prioridade de seu governo. “Na Colômbia, a luta contra as drogas não é apenas um imperativo: é assunto de segurança nacional.”

O presidente observou que a filosofia repressiva da guerra às drogas atingiu de maneira desproporcional os elementos mais fracos do narcotráfico – os pequenos produtores, as “mulas” e os consumidores. Além disso, as políticas de liberalização adotadas em outros países criaram conflitos na aplicação de medidas punitivas. 

“Como explico a um humilde camponês colombiano que ele irá à prisão por cultivar maconha quando qualquer pessoa nos Estados do Colorado e de Washington, nos EUA, pode produzi-la, vendê-la e consumi-la livremente?”, perguntou.

A declaração sobre drogas aprovada durante a sessão foi considerada insuficiente por Santos, que defendeu novas mudanças na estratégia global de combate às drogas em reunião marcada para 2019.

Em sua opinião, é necessário estabelecer que as convenções da ONU que protegem os direitos humanos não podem ficar em posição subalterna em relação aos acordos que tratam da questão das drogas.

Santos pediu uma moratória na aplicação da pena de morte a crimes relacionados ao tráfico de substâncias ilegais. O assunto foi um dos mais polêmicos da sessão da ONU e revelou as divergências entre os países ocidentais – contrários à pena capital – e os orientais, que defendem sua aplicação. 

Mais conteúdo sobre:
Colômbia Santos drogas ONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.