Colômbia e Brasil negociam acordo de segurança na fronteira

Colômbia e Brasil negociam um acordo de segurança para evitar o uso da fronteira entre os países como refúgio para traficantes de drogas e grupos armados, além da exploração irregular de recursos naturais, disseram nesta sexta-feira os ministros da Defesa de ambos os governos.

REUTERS

24 de junho de 2011 | 15h37

Os dois vizinhos compartilham uma fronteira de 1.645 quilômetros na floresta amazônica, em uma região onde existe presença de guerrilheiros, traficantes de cocaína e exploração ilegal de minas de ouro.

"A fronteira tem que ser a divisão no término territorial de dois países, mas não pode continuar sendo um instrumento de proteção da criminalidade", disse o ministro da Defesa brasileiro, Nelson Jobim, que se reuniu em Bogotá com o ministro colombiano Rodrigo Rivera.

Os ministros negociam as bases de um acordo de segurança que aperfeiçoa e amplia tratados anteriores e que deve ser firmado nos próximos meses.

Jobim disse que Colômbia e Brasil têm a possibilidade de dar um exemplo de integração para defender os recursos da floresta amazônica e disse que a criminalidade não pode ser combatida de forma isolada.

O ministro colombiano Rivera afirmou que os governos de Brasil e Colômbia querem que as Forças Armadas de ambos os países possam compartilhar informações de inteligência, recursos e inclusive operações para proteger a Amazônia.

"São recursos que pertencem a nós, que temos a obrigação de preservar e defender para nossos países, e também para toda a humanidade", disse o ministro da Defesa da Colômbia.

"A cooperação é decisiva para que os delinquentes não encontrem uma retaguarda ilimitada no território dos países vizinhos, nem no caso do Brasil nem no caso da Colômbia, e possamos enfrentá-los com muito maior eficiência", acrescentou.

Os ministros também falaram sobre a possibilidade de integrar suas indústrias militares com outros países da América do Sul para desenvolver projetos como a fabricação de aviões de transporte de tropas.

"O projeto busca que a América do Sul possa ter uma base industrial de defesa, que a integração seja do subcontinente e não exclusivamente de um país", disse Jobim.

(Reportagem de Luis Jaime Acosta)

Tudo o que sabemos sobre:
GERALSEGURANCABRASILCOLOMBIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.