Colômbia e Equador avançam para normalizar relações

Os presidentes da Colômbia, Álvaro Uribe, e do Equador, Rafael Correa, concordaram ontem com um "mapa do caminho" para normalizar mais rápido as relações bilaterais. No primeiro encontro da dupla desde o rompimento das relações, em 2008, Correa qualificou a reunião com Uribe como "um passo decisivo" para a melhoria da relação. "Não há datas, não há cronogramas, mas há um mapa do caminho", afirmou Correa. Uribe disse que foi "um bom espírito o da reunião com o presidente Correa".

AE-AP, Agencia Estado

23 de fevereiro de 2010 | 10h27

"Foi ratificada a vontade política de normalizar o mais rápido possível as relações entre os dois países, claro não sem cumprir certos requerimentos", disse o equatoriano, em entrevista coletiva. Segundo ele, entre esses "requerimentos" estão pormenores do ataque realizado pelo Exército colombiano em 1º de março de 2008 contra um acampamento das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) em território equatoriano.

A ação levou a uma crise bilateral ainda não totalmente solucionada. Quito reclama da intervenção do vizinho em seu território, enquanto Bogotá alega que precisa combater os guerrilheiros.

O chanceler colombiano, Jaime Bermúdez, afirmou que os dois líderes "reiteraram a vontade de avançar nos mecanismos que permitam normalizar as relações, sabendo que há um mapa do caminho estabelecido pela vontade dos dois presidentes". Os dois governos concordaram em trabalhar com uma comissão de assuntos sensíveis, com o apoio do Centro Carter e da Organização dos Estados Americanos (OEA).

De acordo com Bermúdez, essa comissão será convocada "o mais rápido possível" e que ela deve ser "um mecanismo idôneo para tratar desses temas e para que possamos seguir avançando para normalizar as relações", conforme a vontade dos presidentes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.