Colômbia e Farc estudam levar vítimas para conversas de paz

Proposta apresentada pelo governo quer discutir como será feito o reconhecimento dos direitos das pessoas afetadas pelo conflito

O Estado de S. Paulo

15 Julho 2014 | 15h39

HAVANA - O governo colombiano e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) analisam a possibilidade de levar vítimas do conflito armado para a mesa de negociações para um possível acordo de paz.

O chefe dos negociadores do governo, Humberto de La Calle, apresentou às Farc nesta terça-feira, 15, a proposta para que as vítimas viagem a Cuba, onde ocorrem as negociações de paz, com a intenção de discutir como será feito o reconhecimento dos direitos dessas pessoas.

"Viemos a Havana com uma proposta concreta sobre a maneira de permitir a presença das vítimas nas conversações", afirmou De la Calle em uma gravação divulgada pela presidência colombiana. "Queremos discutir o tempo, o procedimento, as datas em que isso começará a ocorrer. O centro desse processo (de paz) são as vítimas, o reconhecimento de seus direitos", acrescentou.

O comentário é o primeiro sinal concreto de que as negociações foram retomadas nesta terça, como havia sido anunciado pelo governo e pelas Farc na semana passada.

As conversas de paz com o governo de Juan Manuel Santos começaram no fim de 2012 e se tornaram o grande tema da campanha eleitoral do presidente, reeleito em junho, e seu adversário Óscar Iván Zuluaga. O último recesso nas negociações ocorreu justamente durante o processo eleitoral. /AP

Mais conteúdo sobre:
Colômbia Farc negociações de paz

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.