Colômbia e Rússia, perigo para jornalistas

Colômbia e Rússia são os países mais perigosos do mundo para os jornalistas, informou um grupo defensor da liberdade de imprensa. Segundo a Associação Mundial de Jornais, 10 repórteres foram assassinados na Colômbia no ano passado, enquanto outros seis foram executados na Rússia. As informações constam de um comunicado distribuído nesta terça-feira.A Colômbia sofre com a escalada de uma guerra civil desencadeada há várias décadas, enquanto a Rússia protagoniza um conflito contra a república separatista da Chechênia.O organismo, com sede em Paris, informou que 53 jornalistas foram assassinados em todo o planeta em 2000. Em 1999, foram 71. Mas, apesar da diminuição do número de crimes, algumas novas tendências geram preocupação. "Infelizmente, a maioria dos jornalistas assassinados foi atacada em suas casas ou nas redações. Essa tendência é muito preocupante, pois os ataques parecem ser atos de vingança", informou Anne-Marie Sttot, uma assessora do organismo.A Associação Mundial de Jornais defende a liberdade de imprensa em todo o planeta. Ela representa 17.000 jornais, 63 associações nacionais e 17 agências de notícias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.