EFE/MAURICIO DUEÑAS CASTAÑEDA
EFE/MAURICIO DUEÑAS CASTAÑEDA

Colômbia e Venezuela abrem fronteira

Os presidentes dos dois países acertaram a abertura diária, por 15 horas, para que venezuelanos possam comprar alimentos e remédios no país vizinho

O Estado de S.Paulo

13 Agosto 2016 | 13h53

CARACAS - Venezuela e Colômbia abriram neste sábado a passagem de pedestres pela fronteira binacional, fechada há um ano por Caracas, como parte de uma reabertura progressiva da zona limítrofe acordada na quinta-feira. Às 6 horas da Venezuela (7 horas em Brasília) as autoridades abriram a passagem por cinco pontos nos Estados venezuelanos de Táchira, Apure, Zulia e Amazonas.

Repórteres da AFP constataram que na primeira hora a afluência de pedestres pela Ponte Simón Bolívar em Táchira foi baixa, mas com o passar da horas se formaram filas cada vez mais longas de venezuelanos que tentavam chegar à cidade colombiana de Cúcuta, no departamento Norte de Santander.

"Por aqui houve uma afluência normal de pessoas, de acordo com os procedimentos", declarou o general venezuelano José Morantes Torres, autoridade militar da zona, à rede de televisão governamental a partir da ponte Simón Bolívar. Morantes disse que os dois governos concordaram em fazer com que "o movimento de pessoas seja da maneira mais rápida, com celeridade, mas também com controles".

Os presidentes Nicolás Maduro, da Venezuela, e Juan Manuel Santos, da Colômbia, decidiram na quinta-feira habilitar a passagem de pedestres na fronteira durante 15 horas diárias. "Será uma abertura transitória enquanto vamos aprendendo e acoplando as decisões para que cada passo que damos seja certeiro, positivo", disse Santos.

A escassez  na Venezuela atingiu 82,8% dos produtos da cesta básica em abril, segundo o Instituto Datanálisis. O instituto calcula para este ano uma inflação de 450% - número abaixo dos 780% previstos pelo Fundo Monetário Internacional - e uma queda no poder aquisitivo da população de 40% em comparação com 2015.  / AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.