Colômbia embargará bens de quem não pagar imposto

Os bens das pessoas ou empresas que não pagarem o imposto de 1,2% de seu patrimônio líquido serão embargados, advertiu o governo da Colômbia. O diretor do Escritório Nacional de Impostos, Mario Aranguren, afirmou hoje que inicialmente se imporá ao contribuinte uma multa de 160% sobre o valor que a pessoa física ou jurídica deveria pagar."Se não pagar, procederemos ao embargo", disse o funcionário, em resposta a declarações de representantes de associações privadas que não querem pagar o imposto denominado de "guerra" lançado pelo governo do presidente Alvaro Uribe.Falando a emissoras de rádio e jornalistas, Aranguren disse que "as leis foram feitas para serem cumpridas". "Não vamos ceder", acrescentou o funcionário, indicando que com o recolhimento da primeira parcela do imposto, vencida na segunda-feira, o governo arrecadou US$ 230 milhões. O diretor indicou a lista antecipadamente elaborada para identificar os que "fugiram de sua responsabilidade".Há uma semana, familiares de políticos seqüestrados anunciaram que não pagarão o imposto em desacordo com o plano do governo de se destinar esse dinheiro para o fortalecimento das Forças Armadas. Também uma cooperativa de mulheres da cidade de Barrancabermeja - no departamento (estado) de Santander, a 280 km de Bogotá - que trabalha com pessoas que perderam familiares na guerra rejeitou um pagamento do imposto.Cooperativas similares, em sua maioria organizações não-governamentais que recebem apoio econômico internacional, disseram estar em desacordo com um "imposto de guerra".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.