Colômbia: Farc libertam 10 últimos reféns militares

A guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) libertou no final da tarde desta segunda-feira seus dez últimos reféns militares, informou Socorro Gomes, presidente do Conselho Mundial de Paz e ex-deputada federal brasileira, que participou das negociações. Segundo ela, os reféns foram libertados e chegarão em 45 minutos ao Aeroporto Vanguardia, em Villavicencio, no departamento (Estado) colombiano de Meta, onde são esperados por ativistas e familiares. Os reféns foram resgatados por um helicóptero da Força Aérea Brasileira (FAB) e pela Cruz Vermelha.

ANDRÉ LACHINI (AE), Agência Estado

02 de abril de 2012 | 19h52

"Todos os 10 foram libertados e eles chegarão ao aeroporto em 45 minutos. É um passo importante para a paz na Colômbia e na América Latina", disse Socorro Gomes. Ela disse que os dez militares libertados aparentam estar em boas condições de saúde.

A libertação dos dez reféns seria feita em duas etapas, nesta segunda-feira e na quarta-feira. A operação quase foi suspensa nesta segunda-feira por causa das condições climáticas desfavoráveis, mas o helicóptero da FAB decolou às 15h, na hora colombiana, para o local na selva onde as Farc combinaram a libertação dos reféns.

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha confirmou que quatro militares e seis policiais foram libertados. Eles são: os sargentos Luiz Alfredo Moreno Chagueza e Robinson Saucedo Guarín, que foram capturados pelas Farc em 1998; os sargentos Luis Arturo Arcia e Luis Alfonso Beltrán Franco, capturados pelas Farc também em 1998, em outro combate; os policiais José Libardo Florero, Carlos José Duarte, Wilson Rojas Medina, José Humberto Romero e Jorge Trujillo Solarte, todos capturados quando as Farc tomaram o povoado de Puerto Rico Meta em 1999, segundo informações do jornal El Tiempo de Bogotá. Também foi libertado o sargento Cesar Augusto Lasso Monsalve, que foi capturado pelas Farc em 1999 quando o grupo guerrilheiro tomou a cidade de Mitú.

Segundo informações do jornal El Tiempo, logo que cheguem a Villavicencio, os 10 reféns libertados serão enviados a Bogotá junto aos seus familiares em um avião do governo colombiano.

O Brasil teve uma participação importante no processo de libertação dos 10 últimos reféns militares mantidos no cativeiro pelas Farc, disse Socorro Gomes.

"O governo brasileiro ajudou com os helicópteros, para que uma solução pacífica seja encontrada para esse conflito na Colômbia. As Farc aceitaram negociar e pediram que o governo colombiano garanta os direitos dos presos de consciência no país", disse Socorro Gomes, em entrevista por telefone a partir de Meta, na Colômbia. Ela aguardava a chegada dos reféns no aeroporto.

"Agora, com a libertação dos reféns, nós queremos que o governo colombiano cumpra a sua parte e permita que os presos de consciência sejam tratados de maneira humanitária nas prisões da Colômbia. Nós queremos acesso às prisões", disse Socorro Gomes. Estima-se que a Colômbia tenha sete mil presos de consciência atualmente, não apenas entre ex-guerrilheiros das Farc e do Exército de Libertação Nacional (ELN), como também sindicalistas e estudantes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.