EFE
EFE

Colômbia faz maior apreensão de cocaína de sua história

Presidente Santos comemorou o confisco de 12 toneladas em uma única operação, avaliadas em US$ 360 milhões

O Estado de S.Paulo

08 Novembro 2017 | 21h45

BOGOTÁ - A polícia da Colômbia apreendeu 12 toneladas de cocaína, a maior quantidade em uma única operação na história do país, anunciou nesta quarta-feira o presidente Juan Manuel Santos.

"Nunca antes, desde que começamos há mais de 40 anos a lutar contra o narcotráfico, tínhamos feito uma apreensão desta magnitude", destacou o chefe de Estado à imprensa.

EUA dizem que Colômbia descuidou da luta contra as drogas para alcançar a paz

Avaliado em US$ 360 milhões, o carregamento pertencia ao Clã do Golfo, o principal cartel de tráfico de drogas da Colômbia, e foi descoberto em uma zona bananeira do Departamento (Estado) de Antioquia, noroeste da Colômbia, com apoio internacional.

"Com esta apreensão superamos a cifra do que conseguimos confirscar no ano passado. Este ano foram 362 toneladas e 317 em 2016", comemorou o presidente. Santos visitou a região de Urabá, onde foi realizada a apreensão.

Em um comunicado, a polícia disse que cerca de 400 agentes antinarcóticos invadiram quatro fazendas nos municípios de Chigorodó e Carepa. Segundo Santos, a droga estava escondida sob a terra. Até o momento, foram detidas quatro suspeitos.

O carregamento pertencia a Dairo Antonio Úsuga, conhecido como 'Otoniel', o líder máximo do cartel e o homem mais procurado da Colômbia, país que é o maior produtor e exportador do alcalóide.

O Clã do Golfo foi formado por remanescentes dos grupos paramilitares de ultradireita desmobilizados em 2006. Em setembro, 'Otoniel' revelou ter intenção de se entregar às autoridades depois de quase dois anos de intença caçada policial.

Nos últimos meses, as autoridades conseguiram apreender 20 toneladas de cocaína em Antioquia. A apreensão mais recente foi em setembro, quando mais de sete toneladas foram descobertas em uma fazenda./ AFP e EFE

Relembre: Governo e Farc chegam a acordo de paz

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.