Colômbia inicia negociação de paz com paramilitares

Os líderes milicianos de direita da Colômbia entraram formalmente em conversações de paz com o governo hoje, dizendo-se dispostos a desarmar os 13.000 combatentes que têm sob seu comando e a converter o movimento paramilitar num partido político legítimo. ?O povo colombiano merece paz?, disse Salvatore Mancuso, comandante supremo das Autodefesas Unidas da Colômbia (AUC), um grupo clandestino de combate às guerrilhas comunistas acusado de diversos abusos contra os direitos humanos.Vestindo uma camisa social branca em vez da farda, Mancuso, falando na abertura oficial das negociações, não mencionou o envolvimento das AUC com o tráfico de drogas e as contínuas violações do cessar-fogo que possibilitou as conversações com o governo - incluindo o seqüestreo recente de um ex-senador.?Nós paramilitares não queremos dissolver nossa organização, mas transformá-la num movimento político de massa?, disse ele. Sentado ao lado do ministro do Interior Sabas Pretelt, Mancuso fez uma defesa dos paramilitares, dizendo que o Estado colombiano falhou em proteger o povo da guerrilha marxista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.