Colômbia investiga assassinato de senadora

Enquanto se realizam as investigações sobre o assassinato da senadora Marta Catalina Daniels, o presidente Andrés Pastrana qualificou nesta segunda-feira o crime como um atentado contra a democracia. O procurador-geral, Luis Camilo Osorio, assegurou que "não se pode descartar nenhuma hipótese", tanto as que apontam a deliqüência comum quanto as que acusam a guerrilha como possíveis autoras do delito. Osorio revelou que uma das pistas que estão sendo estudadas é a de uma conversa telefônica interceptada de supostos rebeldes que falam de uma "missão cumprida". "Há uma gravação que também poderia confirmar o envolvimento da subversão (no caso)", disse o procurador aos jornalistas. No entanto, Osorio reconheceu que o assassinato de congressistas vai na contramão da política das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) de seqüestrar dirigentes políticos para trocá-los por guerrilheiros presos. Por sua vez, a polícia continua à procura do veículo Mercedes Benz blindado de cor verde em que viajava a senadora antes do crime. Daniels, seu motorista e uma acompanhante foram assassinados em uma zona rural, a 60 km a noroeste de Bogotá, na noite de sábado, quando a congressista tentava obter a libertação de dois dirigentes políticos seqüestrados. Pastrana condenou nesta segunda-feira o assassinato durante um ato público. "A morte da senadora é um atentado grave contra a democracia do país. Não é só a morte de uma importante líder política que dedicou sua vida ao exercício da atividade pública, é a morte premeditada de uma colombiana e uma mãe de família", afirmou. Líderes de vários partidos opinaram que a onda de violência contra os políticos - que prosseguiu no domingo com a tentativa de assassinato de um candidato a senador, Juan Claros, em Florencia, no centro do país - e os demais ataques que sacodem a Colômbia após a ruptura do processo de paz há duas semanas põem em risco as eleições parlamentares do próximo domingo. Claros, que assistia à inauguração de um centro poliesportivo no bairro de Belo Horizonte, em Florencia, foi atacado por um desconhecido que atirou contra sua cabeça e fugiu em meio à confusão reinante após a agressão. Ele é membro do governante Partido Conservador, e integra a ala do congressista Luis Almario, também ferido à bala há vários meses em um atentado. A violência fez com que muitos candidatos à Câmara e ao Senado tenham renunciado à campanha ao ar livre, optando por distribuir material de propaganda e vídeos para os eleitores. Ao mesmo tempo, os militares, que continuam sua perseguição aos rebeldes, anunciaram ter capturado 22 supostos guerrilheiros no município de Algeciras, no sul do país. Segundo a Agência de Notícias do Exército, os rebeldes detidos pertenciam à temida coluna Teófilo Guerrero, da Farc, que vem realizando espetaculares seqüestros e ataques. Uma de suas últimas ações ocorreram há duas semanas, quando membros do grupo obrigaram a aterrissar um avião a bordo do qual viajava um senador e o seqüestraram. O legislador ainda se encontra em poder dos rebeldes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.