Colômbia propõe cessar ações militares contra guerrilha

O governo colombiano, em carta enviada nesta quarta-feira ao mediador mexicano Andrés Valencia, afirmou estar disposto a suspender suas ações militares contra o Exército de Libertação Nacional (ELN), se a guerrilha cessar sua hostilidades. A missiva assinada pelo comissário presidencial para a paz, Luis Carlos Restrepo, reitera que ?o governo não está exigindo o desarmamento nem a desmobilização?. Para Restrepo, se a ELN parar suas ações contra o Estado e a sociedade civil, haverá um avanço para um "diálogo sério e com um real propósito de paz". Desde junho, com o apoio do México, a guerrilha e o governo colombiano começaram processo de aproximação para criar as condições adequadas para chegar a um diálogo direto e permanente. Depois de uma reunião com autoridades, o mediador Valencia e um dos chefes da ELN, Francisco Galán ? atualmente preso em uma cadeia de segurança máxima em Itagüi, a noroeste de Bogotá - , as partes concordaram em estabelecer uma agenda de trabalho. No passado, todas as tentativas de aproximação entre governo e a guerrilha fracassaram.

Agencia Estado,

08 de julho de 2004 | 02h10

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.