Colômbia quer processar ONG por financiar guerrilha

Colômbia tenta incriminar por colaboração com o terrorismo uma Organização Não-Governamental da Dinamarca que doou cerca de US$ 8.500 à guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), anunciou a chanceler Carolina Barco. "Está muito claro para todo mundo: não se pode apoiar grupos terroristas", disse Barco ao relembrar que a União Européia declarou as Farc como uma organização terrorista e as Nações Unidas proibiu ajuda a grupos armados que atuam à margem da lei, através da resolução 1.373. De acordo com a imprensa colombiana, a ONG dinamarquesa "Rebelião" arrecadou, numa feira promovida na Dinamarca, o equivalente a US$ 8.500 para apoiar os esforços da principal guerrilha colombiana de tomar o poder através das armas. A ONG doou dinheiro também à Organização para a Libertação da Palestina (OLP). A rede de televisão Noticias Uno mostrou neste domingo uma foto na qual um grupo de dirigentes das Farc aparece recebendo a doação em notas de dólares, sem informar a data. Christine Lundgaard, um dos membros do "Rebelião", disse que estava contente em estar fora da Colômbia, onde, segundo ela, não se permite o debate e onde seria alvo militar, como o são todos os que se opõem ao regime.

Agencia Estado,

25 Outubro 2004 | 18h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.