Colômbia quer repatriar Beira-Mar

O governo da Colômbia pretende deportar para o Brasil, em 48 horas, o traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, preso no sábado.A informação foi dada nesta segunda-feira pelo procurador-geral de Justiça da Colômbia, Alfonso Gomes Mendez. Um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) já está de prontidão em Tabatinga (AM), perto da fronteira, para transportar o traficante de volta ao País. O Itamaraty, porém, adotou uma posição mais cautelosa, em razão da dimensão dos crimes atribuídos a Beira-Mar na Colômbia.Há informações de que Beira-Mar teria revelado que pagava cerca de US$ 10 milhões por mês às Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) pela cocaína produzida em território controlado pela guerrilha.Ao ser detido, sábado, Beira-Mar teria negado ligação com as Farc e dito que estava na Colômbia como criador de gado.O presidente da Colômbia, Andrés Pastrana, disse ao ministro das Relações Exteriores, Celso Lafer, no encerramento da Cúpula das Américas, no Canadá, neste domingo, que Beira-Mar seria expulso imediatamente.Nesta segunda-feira, porém, o Ministério das Relações Exteriores local informou ao ministro que, caso tenha cometido crimes na Colômbia, Beira-Mar poderá ser julgado e cumprir pena no país. O jornal Nuevo Herald, de Miami, informou nesta segunda-feira que os Estados Unidos entraram na disputa pela extradição de Beira-Mar.O criminoso teria revelado durante o primeiro interrogatório, sábado, seu desejo de ser julgado por tribunais norte-americanos. "Ele disse que preferia ser levado aos Estados Unidos porque, caso volte ao Brasil, terá de delatar meio país", disse um oficial da Força Aérea Colombiana.Há informações de que o traficante admitiu à polícia colombiana que comprava cerca de 200 toneladas por ano de cocaína das Farc.O brasileiro também teria confessado o fornecimento de armas e drogas para as Farc. O chefe das Forças Armadas colombianas, general Fernando Tapias, disse que Beira-Mar entregou à guerrilha 10 mil armas e 3 milhões de balas em troca de cocaína.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.