Colômbia: senadora quer discutir libertação de reféns

A ex-senadora colombiana Piedad Córdoba, que trabalha pela libertação dos últimos reféns militares e policiais da guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), revelou nesta sexta-feira que pediu uma entrevista ao presidente colombiano Juan Manuel Santos para discutir o assunto. Ainda não se sabe quando as Farc libertarão os seus últimos dez militares e policiais reféns, mas se espera que isso ocorra em algumas semanas.

AE, Agência Estado

09 de março de 2012 | 16h41

A operação para a entrega dos últimos dez reféns militares e policiais já começou, quando o Ministério da Defesa da Colômbia e o Comitê Internacional da Cruz Vermelha definiram na quinta-feira os protocolos de segurança do processo, que em geral consistem na suspensão das operações militares na região em que ocorrerá a libertação dos reféns.

Mas a região onde ocorrerá a libertação só será conhecida quando Córdoba receber os dados, confidencialmente, das Farc. Os guerrilheiros anunciaram de maneira unilateral em fevereiro que libertarão os dez militares, alguns deles cativos há mais de uma década.

Após várias gestões, Córdoba recebeu das Farc pelo menos 20 cativos, em diferentes ocasiões, desde 2008 até o ano passado. Não se sabe quantos civis vivem aprisionados pelas Farc.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.