Colombianos acendem 25 mil velas por reféns das Farc mortos

Guerrilha ainda mantém 45 reféns, entre eles a ex-candidata Ingrid Betancourt

Agencia Estado

04 Julho 2007 | 17h27

Na noite de terça-feira, 3, os colombianos acenderam cerca de 25 mil velas na Praça Bolívar, no centro de Bogotá, em memória dos 11 deputados do departamento de Valle del Cauca mortos pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). Eles foram seqüestrados em abril de 2002. Horas antes, como todas as terças-feiras, a Associação Colombiana de Parentes de Membros da Polícia Retidos e Libertados por Grupos Guerrilheiros (Asfamipaz), pediu a libertação do deputado que sobreviveu. Na semana passada as Farc anunciaram em comunicado que 11 dos 12 deputados seqüestrados em 2002 morreram no "fogo cruzado" durante um combate, em 18 de junho. O governo afirma que eles foram assassinados pelas Farc. Os corpos ainda não foram entregues às famílias. A guerrilha ainda mantém 45 reféns, entre eles a ex-candidata presidencial colombiana Ingrid Betancourt, que também tem nacionalidade francesa, três americanos e 34 policiais, além de outros sete políticos. As Farc pedem a troca humanitária de seus reféns por cerca de 500 guerrilheiros presos. Na próxima quinta-feira, haverá manifestações nas principais cidades colombianas pela liberdade dos seqüestrados. O presidente Uribe e todos seus ministros participarão dos eventos.

Mais conteúdo sobre:
Farc Colômbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.