Colombianos comemoram troca de prisioneiros

Após 2 anos de negociações, o governo colombiano e rebeldes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) chegaram a um acordo para a troca de prisioneiros enfermos - o que permitirá a libertação de centenas de soldados, policiais e guerrilheiros. Com esse acordo, os atores do conflito na Colômbia consideram que o processo de paz entre governo e guerrilha ganhará força. De início, o maior grupo guerrilheiro do país vai soltar 42 soldados doentes com a condição de que 15 guerrilheiros mantidos em prisões estatais também sejam libertados. Ao todo serão libertados 142 dos 500 soldados e policiais detidos pela guerrilha. As trocas estão previstas para começar esta semana. A notícia foi saudada com entusiasmo pelos habitantes de San Vicente del Caguán, localidade na zona desmilitarizada onde se realizam as negociações de paz. Em meio ao entusiasmo de muitos, o sacerdote Miguel Angel Serna, pároco de San Vicente, alertou que "o processo de paz começa a dar resultados, mas o acordo só fala na entrega de alguns reféns". Ele acrescentou que "todos" deveriam ser libertados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.