Ernesto Guzmán Jr. / EFE
Ernesto Guzmán Jr. / EFE

Colombianos vão às urnas para segundo turno de eleição presidencial polarizada

Iván Duque e Gustavo Petro disputam a liderança do país, onde os mais de 36 milhões de eleitores definirão o futuro do acordo de paz que desarmou a ex-guerrilha das Farc

O Estado de S.Paulo

17 de junho de 2018 | 16h05

BOGOTÁ - Com o futuro dos acordos de paz em jogo, a Colômbia elege neste domingo, 17, seu novo presidente, entre um ex-guerrilheiro e um discípulo do popular ex-mandatário.

+ Conservador e favorito, Duque tenta sair da sombra de Uribe

+ Esquerda colombiana tem chance real pela primeira vez com ex-guerrilheiro

O segundo turno das eleições presidenciais é disputado por Iván Duque, de direita, e Gustavo Petro, de esquerda. Eles propõem caminhos diametralmente opostos para a quarta maior economia da América Latina.

+ Congresso da Colômbia arquiva investigação contra Santos por caso Odebrecht

+ Rivais com ideias antagônicas apelam a moderados na Colômbia

Mais de 36 milhões de eleitores vão definir o futuro do acordo de paz que desarmou a ex-guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) - convertida no partido político Força Alternativa Revolucionária do Comum. Apesar de em 2017 ter evitado 3 mil mortes, o pacto dividiu profundamente uma sociedade anestesiada por mais de meio século de violência.

"São eleições transcendentais", afirmou no domingo Juan Manuel Santos, o presidente que deixará o poder em agosto, ao votar nesta manhã na Praça de Bolívar de Bogotá. O Nobel da Paz de 2016 destacou as "garantias" de segurança que os eleitores terão, em um país onde a violência afetou por décadas as eleições.

A jornada eleitoral começou às 8hs (10h em Brasília). Os locais de votação devem ficar abertos por oito horas. A autoridade responsável pela organização do pleito alertou para as chuvas em diversas zonas, o que poderia afetar a votação em um país com índice de abstenção que historicamente beira os 50%. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.