Hillary Swift/The New York Times
Hillary Swift/The New York Times

Bernie Sanders vence primária Democrata em New Hampshire; Biden está em 5º

O ex-prefeito Pete Buttigieg ficou em segundo e deve receber mesmo número de delegados que Sanders

Beatriz Bulla, correspondente, O Estado de S.Paulo

11 de fevereiro de 2020 | 23h52
Atualizado 12 de fevereiro de 2020 | 18h15

WASHINGTON - O senador Bernie Sanders foi o vencedor das primárias feitas pelo Partido Democrata no Estado de New Hampshire, na noite desta terça-feira, 11. Com 98% dos votos apurados até o início da madrugada, Sanders havia recebido 25,7% dos votos. Pete Buttigieg, ex-prefeito de South Bend, cidade de Indiana, recebeu 24,4% dos votos. New Hampshire comprovou o racha dos eleitores do partido, entre um candidato progressista e um candidato de centro, e a perda de força da campanha de Joe Biden.

O ex-vice-presidente, que já tinha ficado em um decepcionante quarto lugar em Iowa, sai ainda mais fraco da disputa de New Hampshire, na quinta posição. Com 8,4% dos votos, Biden ficou atrás das senadoras Amy Klobuchar (19,8%) e Elizabeth Warren (9,2%).

Sanders e Buttigieg, no entanto, devem receber o mesmo número de delegados pelo Estado de New Hampshire: 9 cada um.  Klobuchar receberá 6 delegados e os demais, nenhum. O processo de prévias, iniciado na semana passada, termina em julho, quando os delegados do Partido Democrata decidem quem será o candidato nomeado pela legenda para disputar contra Donald Trump as eleições presidenciais dos EUA, em novembro. New Hampshire tem direito a 24 delegados na convenção do partido. O nome que obtiver a maioria simples entre os 3.979 delegados do partido na reunião da sigla em julho é o nomeado. 

As pesquisas nacionais e parte das estaduais anteriores ao caucus de Iowa mostravam Biden como o favorito do espectro moderado do partido, o que não se confirmou até agora. A ala moderada do partido escolheu Buttigieg, em Iowa, no lugar de Biden. Desde então, a campanha do ex-prefeito ganhou força. O terceiro lugar de Amy Klobuchar, considerada a mais conservadora entre os democratas, também foi um mau sinal para ex-vice-presidente. Até agora, ela aparecia na lanterna das pesquisas eleitorais.

Sanders tem se consolidado como o nome preferido da ala progressista, um posto que Elizabeth Warren também busca. Nesta terça-feira, 11, antes do final dos resultados, a senadora afirmou que vencer Donald Trump exigirá que o partido consiga a mais ampla coalizão de eleitores e os democratas não podem se perder entre diferentes facções.

Em discurso após a apuração indicar sua vitória no Estado, Sanders afirmou que sua campanha "não se trata apenas de ganhar de Donald Trump, mas de transformar o país".

O senador Michael Bennet e o empresário Andrew Yang anunciaram nesta terça que estavam deixando a disputa pela candidatura democrata após resultados decepcionantes em New Hampshire.

Quem larga bem nas primeiras consultas aos eleitores tende a ser beneficiado por um efeito cascata. Joe Biden, no entanto, aposta que Estados mais representativos de minorias da população americana façam sua campanha finalmente deslanchar.

Já prevendo o novo fracasso em New Hampshire, Biden partiu nesta terça para a Carolina do Sul, que realiza prévias no dia 29, onde ele conta com apoio da comunidade negra, que forma mais de 60% dos eleitores democratas no Estado.

Biden, que foi vice-presidente no governo de Barack Obama, tem muito mais entrada entre os negros do que Buttigieg. Pesquisa da Quinnipiac University divulgada na segunda-feira mostra Biden como candidato preferido entre eleitores negros, com 27% das intenções de voto, enquanto Buttigieg fica em quinto lugar entre essa parcela do eleitorado, com 4% dos votos.

As próximas disputas ocorrem em Nevada e Carolina do Sul, locais que são considerados termômetro do voto da população latina e da população negra, respectivamente.

Após um decepcionante quarto lugar em Iowa, que ele classificou de “um soco no estômago”, Biden reformulou sua equipe de campanha, ampliando o papel da estrategista Anita Dunn, veterana da equipe de Barack Obama, o que sugere a adoção de uma estratégia mais agressiva contra seus rivais dentro do partido. “Isto é uma maratona. E estamos apenas começando”, disse o ex-vice-presidente. 

Até o início do ano, a maioria das pesquisas mostrava Biden à frente na disputa entre os democratas – ele matinha até mesmo uma vantagem razoável no confronto direto contra o presidente Donald Trump. Com forte apoio dos eleitores negros, ele já esperava um desempenho ruim em Iowa e New Hampshire, Estados onde quase todos são brancos. Os péssimos resultados, porém, ajudaram a desgastar ainda mais sua imagem. 

Superterça

O grande momento da temporada de primárias democratas, no entanto, é o dia 3 de março, quando os eleitores de 14 Estados votam na Superterça – incluindo os gigantes Califórnia e Texas. Em boa parte deles, a grande parcela de negros favorece Biden, especialmente no Alabama, Carolina do Norte e Delaware – Estado onde vive Biden.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.