Com 95% de votos apurados, PP vence eleição na Espanha

Resultado é a maior derrota do Partido Socialista, do atual premiê Zapatero, nas últimas três décadas.

Agência Estado,

20 de novembro de 2011 | 20h56

Com 95% dos votos apurados, o Partido Popular, de direita, venceu as eleições gerais da Espanha, conquistando 44,6% dos votos, contra 28,7% do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE). O resultado oficial ainda não foi anunciado.

 

O PP conquista a maioria confortável de ao menos 186 assentos no Parlamento. O partido precisava assegurar 176 cadeiras para eleger um primeiro ministro e aprovar leis sem a ajuda de aliados. A vitória leva Mariano Rajoy, que faz oposição ao atual premiê José Luis Rodríguez Zapatero. Mais cedo, o candidato do PSOE, Alfredo Pérez Rubalcaba, havia reconhecido a derrota de seu partido.

 

Veja também:

link Espanhóis esperam mudança política mais importante da última década

linkCOBERTURA ESPECIAL: As eleições na Espanha

 

O resultado destas eleições representa a maior derrota do Partido Socialista nas últimas três décadas. A legenda governou a Espanha em 21 dos últimos 29 anos. Os socialistas venceram as duas eleições anteriores. Das 169 cadeiras que detinha no Parlamento, devem ficar agora com 110.

 

O PP prometeu melhorar a economia espanhola e criar empregos. A taxa de desemprego no país é a maior da Europa, passa dos 20%. Entre os desafios está o de cumprir metas ambiciosas de redução de déficit orçamentário justo em um momento em que o financiamento do país nos mercados financeiros internacionais tornou-se extremamente oneroso.

 

"O importante é que, como esperado, o PP venceu por clara maioria", disseram analistas do Brown Brothers Harriman em nota a investidores. "Como ocorreu em outras mudanças de governo da zona do euro, o resultado eleitoral da Espanha não significa mudanças na agenda básica do país. Em outras palavras: austeridade." As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Espanhaeleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.