Alexey DRUZHININ / SPUTNIK / AFP
Alexey DRUZHININ / SPUTNIK / AFP

Com 9.623 novos casos, Rússia registra maior aumento diário desde o início da pandemia

Número de mortos pelo novo coronavírus em todo o país subiu para 1.222, depois que 57 pessoas morreram nas últimas 24 horas

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de maio de 2020 | 09h02

MOSCOU - A Rússia registrou 9.623 novos casos de coronavírus neste sábado, 2, seu maior aumento diário desde o início da pandemia, elevando o total para 124.054, principalmente na capital Moscou, onde o prefeito ameaçou reduzir o número de autorizações de viagem. 

O número de mortos em todo o país subiu para 1.222, depois que 57 pessoas morreram nas últimas 24 horas, disse o centro de resposta a crises de coronavírus da Rússia, depois de revisar a contagem do dia anterior. 

A Rússia está em bloqueio parcial, com o objetivo de conter a disseminação do novo coronavírus, desde o fim de março. Em Moscou, as pessoas que não obtiveram uma permissão especial para a livre circulação só conseguem sair de casa para fazer compras, passear com os cães e descartar o lixo. 

O presidente Vladimir Putin ordenou que as medidas restritivas, chamadas de dias não úteis, continuem até 11 de maio, inclusive, quando o país terminar de comemorar os feriados do Dia do Trabalho e do Dia da Vitória. 

Apesar de um número relativamente baixo de casos e mortes em comparação com os Estados Unidos, Itália e Espanha, que foram os mais atingidos pela doença, a curva de infecção da Rússia não atingiu um platô. 

O prefeito de Moscou, Sergei Sobyanin, fez um apelo neste sábado aos moscovitas para que continuem se isolando. Ele disse que o número de pacientes críticos está aumentando, mas não como projeções de cenários piores. 

"No entanto, é óbvio que a ameaça está aumentando", disse ele em seu blog. Sobyanin disse à emissora de TV Rossiya-1 que as autoridades de Moscou podem reduzir o número de licenças digitais emitidas para viagens pela cidade, se a situação piorar. 

O primeiro-ministro Mikhail Mishustin, o segundo mais alto funcionário do país depois de Putin, disse ao presidente na quinta-feira, 30, que havia testado positivo para o coronavírus e que estava temporariamente deixando a recuperação. O primeiro vice-primeiro-ministro Andrei Belousov está servindo como primeiro-ministro interino na sua ausência. 

Na sexta-feira, 1.º, outro membro do gabinete russo, o ministro da Construção, Vladimir Yakushev, anunciou que havia sido diagnosticado com o vírus e que seria tratado no hospital. / Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.