EFE/Kostas Tsironis
EFE/Kostas Tsironis

Com acordo, Europa começa a devolver migrantes à Turquia

ONU alerta que processo pode resultar em violência; serão enviadas de volta as pessoas que não conseguirem asilo

Jamil Chade, CORRESPONDENTE / GENEBRA, O Estado de S. Paulo

04 Abril 2016 | 05h00

GENEBRA - Sob protestos de refugiados e da ONU, a Europa começa hoje a deportar migrantes, com a entrada em vigor do acordo entre a União Europeia e a Turquia. As operações, segundo a ONU, poderão resultar em caos e violência. 

Atualmente, 52 mil migrantes estão na Grécia, aguardando para serem reassentados pela Europa. Mas, a partir de hoje, centenas deles vão começar a ser levados das ilhas gregas de Chios e Lesbos de volta para os portos turcos. A polícia local acredita que cerca de 500 pessoas serão enviadas hoje para o lado turco, desembarcando no porto de Dikili, e 250 serão enviadas por dia nessa semana. 

Diante da perspectiva da deportação, o número de pedidos de asilo aumentou nos últimos dias. Ontem, muitos dos refugiados resgatados pela guarda costeira em Lesbos não sabiam que seriam deportados.

Desde a assinatura do acordo entre Turquia e UE, 6 mil pessoas desembarcaram nas ilhas gregas. Quem não conseguiu pedir asilo ou teve a solicitação recusada será enviado de volta. Por cada refugiado sírio devolvido, outro será retirado de um campo de acolhimento turco e reassentado na UE. No total, o acordo prevê 72 mil lugares.

Os reassentamentos ocorrerão na Alemanha, Finlândia e Holanda. O representante da ONU para migrações, Peter Sutherland, denunciou no fim de semana o fato de que “deportações coletivas” serão declaradas ilegais se os pedidos de asilo não forem antes avaliados. 

A Anistia Internacional alertou que os sírios devolvidos correm o risco de serem deportados de volta para seu país. 

Despreparo. Fontes da ONU nas ilhas gregas confirmaram ao Estado por telefone que prevalecia a incerteza sobre como a operação vai ocorrer e como o acordo será implementado. 

Autoridades turcas informaram que os sírios deportados seriam colocados em dois acampamentos ou poderiam se reunir com suas famílias, caso elas estejam na Turquia. Outros migrantes iriam para dois centros de acolhimento. 

Oficiais da ONU disseram, no entanto, ter encontrado apenas duas tendas montadas no porto turco de Dikili, com dois banheiros. 

Para a ONU, a falta de informação e de pessoas para lidar com o processo causa nervosismo entre os refugiados. Na sexta-feira, na ilha de Chios, centenas de migrantes detidos romperam grades e arames farpados do centro de estrangeiros e escaparam, temendo uma deportação iminente.

O Alto Comissariado da ONU para Refugiados alerta para a falta de comida e denuncia a detenção de crianças e mulheres grávidas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.