Chip Somodevilla/Getty Images/AFP
Chip Somodevilla/Getty Images/AFP

Com ameaças de protestos, Washington se fecha a uma semana da posse de Biden

Autoridades locais e federais estabeleceram zona de segurança no centro da cidade e convocaram mais de 20 mil soldados da Guarda Nacional para proteger a posse presidencial em 20 de janeiro

Redação, O Estado de S.Paulo

14 de janeiro de 2021 | 14h10
Atualizado 14 de janeiro de 2021 | 23h14

WASHINGTON - A uma semana da posse do presidente eleito Joe Biden, forças federais, a Guarda Nacional e a polícia de Washington começaram a levantar barreiras e fechar o acesso a diversos prédios públicos e parques para evitar problemas durante protestos que estão sendo organizados. 

Nesta quinta-feira, 14, o governo decidiu fechar toda a região do National Mall, um conjunto de parques que abriga diferentes monumentos de ex-presidentes e memoriais que relembram datas e guerras importantes para a história do país.

Todo o National Mall estará fechado para o Dia da Posse, acessível apenas à mídia e ao pessoal de segurança. O fechamento extraordinário é o mais recente de uma série de medidas de segurança para impedir o tipo de violência que abalou o Capitólio em 6 de janeiro. Autoridades locais e federais já estabeleceram uma zona de segurança no centro da cidade e convocaram mais de 20 mil soldados da Guarda Nacional para a posse presidencial em 20 de janeiro.

A mudança é significativa porque o Mall tem sido o local tradicional onde grande parte do público em geral se reunia para ver a posse no Capitólio pessoalmente e em grandes grupos. Por todo o centro de Washington, o som principal por vários quarteirões era o bipe de empilhadeiras descarregando mais cercas.

Não havia carros, scooters ou turistas na quarta, apenas um corredor ocasional e várias equipes de construção trabalhando. O Capitólio dos Estados Unidos, que se revelou um alvo tão fácil na semana passada, agora é visível apenas através das linhas de cerca alta e preta.

“Claramente estamos em águas desconhecidas”, disse a prefeita de Washington, Muriel Bowser. Ela comentou que a “insurreição violenta” da semana passada no Capitólio por partidários do presidente Donald Trump impactou a maneira de trabalhar com os parceiros federais no planejamento para a 59ª posse. 

O FBI alertou que protestos armados de partidários de Trump estavam sendo planejados em todas as 50 capitais dos Estados, bem como em Washington, nos dias que antecederam a posse do presidente eleito Joe Biden.

Entre a pandemia e a ameaça à segurança, Bowser está pedindo às pessoas que não se dirijam ao Distrito de Columbia para a posse. E a pedido de Bowser, uma declaração do Evento de Segurança Especial Nacional foi movida para 13 de janeiro, uma distinção que cria uma estrutura de comando e controle diferentes para a segurança.

O status é normal para uma posse presidencial e outros eventos importantes, como uma cúpula internacional ou o Super Bowl. Mas é raro iniciar o bloqueio tão antes do evento. Os veículos da polícia isolaram uma grande faixa do centro de Washington na quarta-feira. Qualquer pessoa dentro do perímetro da posse pode ser detida e questionada.

A partir de sexta-feira, todos os estacionamentos da zona restrita do centro da cidade serão lacrados até a posse. Bowser também está sendo pressionada a negar opções de hospedagem a manifestantes violentos.

A afiliada local da Black Lives Matter e a Shutdown DC emitiram uma declaração conjunta na quarta instando todos os hotéis do centro a fecharem voluntariamente e pagarem suas equipes. Além da ameaça de violência, os grupos ativistas dizem que os apoiadores de Trump são uma ameaça à saúde dos funcionários do hotel por sua recusa geral de usar máscaras em meio à pandemia. Vários hotéis no centro, incluindo um que se tornou o ponto de encontro favorito da facção militante Proud Boy, optaram por evitar problemas fechando na semana passada.

“Fechar os hotéis completamente durante essas seis noites é a única maneira de garantir a segurança dos funcionários, vizinhos, moradores vulneráveis e desabrigados, novos funcionários da administração, membros do Congresso e nossa democracia”, disse o comunicado. “Se os hotéis não fecharem voluntariamente, pedimos a prefeita Bowser para estender o pedido de emergência e fechar todos os hotéis da cidade.”

Na quarta-feira, o Airbnb anunciou que estava cancelando todas as reservas na área metropolitana de Washington. Bowser disse que tem mantido contato regular com funcionários do Airbnb desde a semana passada, mas não solicitou essa medida.

“Estamos cientes de relatos surgidos sobre milícias armadas e grupos de ódio conhecidos que estão tentando viajar e atrapalhar a posse”, disse um comunicado da empresa. “Estamos continuando nosso trabalho para garantir que membros de grupos de ódio não façam parte da comunidade do Airbnb.”

Grande parte da segurança mais visível virá na forma de milhares de integrantes da Guarda Nacional de vários Estados, muitos deles armados. De acordo com as autoridades, o número de guardas que realmente estarão portando armas será limitado. Alguns membros da Guarda mais próximos do Capitólio terão armas longas e outros terão suas armas.

É provável que aqueles que estão mais perto da multidão ou nas cercas não estejam armados, mas aqueles que estão perto do prédio podem estar. Os membros da Guarda Nacional operam sob regras estritas de engajamento no uso da força. Mas, de modo geral, as tropas podem usar força letal para proteger a vida de outras pessoas e de si mesmas.  / W.POST e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.