Com apoio dos mórmons, Romney abre vantagem em Nevada

Pesquisa coloca republicano 15 pontos à frente de McCain, mas Nevada tem pouca influência na disputa

Reuters,

18 de janeiro de 2008 | 18h28

O pré-candidato republicano a presidente dos Estados Unidos, Mitt Romney, abriu nesta sexta-feira, 18, uma grande vantagem sobre seu adversário John McCain nas primárias de Nevada. A disputa será realizada no sábado, 19, e a grande comunidade mórmon pode ser decisiva.  Veja também:Saúde deve ser decisiva em NevadaHillary e Obama levam disputa para cassinosCobertura completa das eleições Eleições nos EUA  O milionário Romney, que tenta ser o primeiro mórmon a governar os EUA, tem 15 pontos percentuais à frente de McCain, segundo pesquisa do Las Vegas Review-Journal, com margem de erro de 4,5 pontos percentuais.  Nesta fase, as campanhas se voltam mais para a Carolina do Sul, que realiza eleições primárias republicanas também no sábado, 19, do que para Nevada. Investir nesse Estado, tradicionalmente pouco influente na disputa, foi uma decisão estratégica de Romney.  O outro único candidato que faz campanha em Nevada - Estado conhecido pela permissividade em relação ao jogo, o divórcio e a prostituição - é o deputado Ron Paul, azarão na disputa.  Um assessor de Romney disse que ele participa de comícios em Nevada nesta sexta e em seguida voa para a Califórnia, onde grava participação no programa de entrevistas de Jay Leno. Está previsto o comparecimento de 30 mil a 40 mil eleitores no "caucus" (assembléia de eleitores) do Partido Republicano em Nevada.  O fato de ser mórmon pesa contra Romney em Estados evangélicos, como a Carolina do Sul e Iowa (onde ficou em terceiro), mas pode ser favorável em Nevada, onde os mórmons se instalaram em meados do século 19.  Cerca de 17 mil habitantes de Nevada, ou 6,8% do total, são membros da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, o nome oficial da denominação mórmon, que tem sede no Estado vizinho Utah.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAELEICAOROMNEYNEVADA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.