Erin Schaff/The New York Times
Erin Schaff/The New York Times

Com Biden à frente, apuração ainda deve durar vários dias

Uma margem estreita, um grande número de votos pendentes e a possibilidade de recontagem de votos em Pensilvânia, Geórgia, Arizona e Nevada tornam a disputa muito prematura para ser declarada ou projetada

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de novembro de 2020 | 16h31
Atualizado 06 de novembro de 2020 | 20h14

WILMINGTON, EUA - Uma margem estreita, um grande número de votos pendentes e a possibilidade de recontagem em Pensilvânia, Geórgia, Arizona e Nevada tornam a disputa entre o presidente Donald Trump e Joe Biden acirrada demais para ser declarada ou projetada pela imprensa americana na tarde desta sexta-feira, 6. A TV americana CNN explicou ter muita cautela para se projetar o vencedor na Pensilvânia, por exemplo, uma vez que ainda não há uma vantagem matematicamente irreversível para o democrata - que lidera as contagens.  

Biden apresenta uma vantagem de mais de 14 mil votos no Estado nesta sexta-feira sobre Trump, com mais de 6,5 milhões de votos contados - uma margem de cerca de 0,2%. A lei estadual determina que uma recontagem deve ser feita se a diferença entre os dois candidatos for inferior a 0,5%. E ainda faltam dezenas de milhares de votos para serem contados.

Segundo autoridades do Estado, há ao menos 40 mil votos restantes para serem processados divididos em três categorias: exigem revisão, são cédulas provisórias ou são de eleitores militares e americanos que vivem em outros países. Além disso, cerca de 85 mil cédulas provisórias de 56 condados estavam pendentes, ainda sendo revisadas. Essas cédulas serão contadas depois que os oficiais verificarem sua elegibilidade para serem incluídas na apuração.

A Pensilvânia é um dos Estados-chave na disputa deste ano. O democrata espera o resultado de lá para confirmar sua conquista dos 270 votos no colégio eleitoral necessários para ganhar a presidência. Se vencer no Estado, somará 273, enquanto o republicano Trump aparece com 213. 

Trump, que tinha uma vantagem de 675 mil votos na quarta-feira, declarou prematuramente vitória no Estado. As cédulas apuradas depois foram esmagadoramente a favor de Biden. Um motivo para a disputa ficar mais acirrada: segundo a lei estadual, os funcionários eleitorais não têm permissão para processar cédulas que chegaram pelo correio até o dia da eleição. A votação pelo correio foi amplamente usada este ano em razão da pandemia de coronavírus

Existe a possibilidade de que a corrida não seja decidida por dias. Se houver menos de meio ponto percentual de diferença entre o total de votos de Biden e Trump, a lei estadual determina que uma recontagem seja realizada.

Os democratas há muito consideram a Pensilvânia como parte de sua "parede azul" - um trio que também inclui Wisconsin e Michigan - que por anos serviu como baluarte nas eleições presidenciais. Em 2016, Trump venceu cada um deles por menos de um ponto percentual.

Biden, que nasceu em Scranton, alega ter o status de filho favorito no Estado e há muito tempo defende a ideia de que foi o "terceiro senador" da Pensilvânia durante suas décadas representando o vizinho Delaware. Ele também fez campanha extensivamente no Estado de sua casa em Delaware.

Em Nevada, com 6 delegados, a divulgação dos resultados no Condado de Clark, que inclui Las Vegas e três quartos da população do Estado, junto com a de dois condados rurais deram a Biden uma vantagem de 627.104 votos, enquanto Trump tem 606.967. A liderança de Biden quase dobrou desde quinta-feira, quando ele estava à frente de Trump por cerca de 11 mil  votos. No entanto, assim como na Pensilvânia, os votos ainda estão sendo contados.

No Arizona, que tem 11 delegados no colégio eleitoral, Biden lidera com cerca de 40 mil votos (49,9% a 48,6%), com 94% apurados. O condado de Maricopa, que inclui a densamente povoada Phoenix, tem 142 mil cédulas para contar, bem como algumas cédulas provisórias. Biden tem uma vantagem de 3,2 pontos porcentuais no condado, com 92,2% da votação estimada. Segundo a diretora de comunicações do departamento de eleições do condado, Megan Gilbertson, a maioria dos votos deverá ser apurada no sábado. 

Expectativa na campanha democrata

Segundo o jornal Washington Post, havia uma sensação de entusiasmo entre os principais funcionários da campanha de Biden quando eles começaram a se reunir no hotel Westin em Wilmington, Delaware, no meio da manhã desta sexta-feira.

“Neste ponto, estamos meio que esperando que haja o suficiente de votos para que as emissoras e os veículos de notícia se sintam confortáveis o suficiente para declarar a vitória”, disse um assessor de Biden. Um pronunciamento do democrata é esperado para esta noite em um palco montado há dias no Chase Center, em Delaware.

O assessor fez uma prévia de sua mensagem, sem confirmar o momento de qualquer discurso, dizendo: “Joe Biden, desde o dia em que anunciou sua candidatura, tratou de aproximar as pessoas e acabar com aquele clima divisivo tóxico e caótico do país”, disse o assessor, acrescentando que Biden "gostaria de sair e continuar a entregar essa mensagem."

A campanha de Biden não pretende esperar que o presidente Trump reconheça a derrota antes de o democrata declarar vitória. “Donald Trump não decide quem ganha as eleições”, disse o assessor. “O povo americano sim.”

Para Entender

Eleições nos EUA: entenda o processo eleitoral americano

Saiba como funcionam bipartidarismo, prévias, escolha dos vices, colégio eleitoral, votos, apuração e pesquisas na disputa presidencial dos Estados Unidos

Biden, disse o assessor, vai querer governar. Ao longo da manhã, houve uma sensação crescente de entusiasmo entre os principais assessores, embora eles esperassem que a apuração dure dias.

“A virada da Geórgia durante a noite foi grande. Esperávamos que a Geórgia estivesse muito perto.” Quando a campanha avançou na Pensilvânia, o assessor disse: “O Twitter se iluminou. Sinal aceso”, disse, referindo-se à plataforma de comunicação usada por muitos na política.

Geórgia fará recontagem

No entanto, o secretário de Estado da Geórgia, Brad Raffensperger, confirmou na tarde desta sexta-feira, 6, que deve haver recontagem de votos no Estado, com 16 delegados. Trump faz, após resultados desfavoráveis na apuração, uma blitz judicial para tentar reverter  as perdas que tem tido em alguns Estados, como a Geórgia, para o seu concorrente democrata.

“No momento, a Geórgia continua com resultado apertado demais para declarar vitória a um candidato ou outro. Dos cerca de 5 milhões de votos, teremos uma margem de alguns milhares ”, disse Raffensperger.  “O foco do nosso gabinete e dos funcionários eleitorais do condado, por enquanto, continua sendo garantir que todos os votos legais sejam contados e registrados com precisão. À medida que nos aproximamos da contagem final, podemos começar a olhar para os próximos passos. Com uma margem tão pequena, haverá uma recontagem na Geórgia”.

A liderança de Biden estava dentro da margem de votos que permitiria a um candidato solicitar uma recontagem de acordo com a lei da Geórgia. Um pedido formal de recontagem provavelmente não será feito até o final de novembro. De acordo com a lei estadual,  os candidatos podem solicitar uma recontagem se a margem for de 0,5% ou menos, e devem fazê-lo dentro de dois dias úteis após a certificação de resultados em todo o Estado, prevista para 20 de novembro.

Gabriel Sterling, o gerente do sistema de informação ao eleitor do Estado, disse em uma entrevista coletiva na quinta-feira que uma recontagem em todo o Estado levaria cerca de uma semana e dificilmente mudaria o resultado da disputa. Biden ultrapassou Trump na Geórgia na manhã de sexta-feira, quando os condados com tendência democrata do Estado encerraram a contagem do restante de suas cédulas. 

Assim como na Pensilvânia, Biden ganhou a liderança após ir diminuindo a margem de Trump no Estado ao longo de três dias. Os condados de Fulton, DeKalb e Chatham, mais populosos e inclinados aos democratas, terminaram a contagem dos  votos na quinta-feira, ajudando Biden a superar a liderança de votos de Trump. 

Clayton, um condado fortemente democrata, acabou levando Biden a ultrapassar Trump depois que encerrou a contagem. Existem 8.899 cédulas internacionais e de militares solicitadas que podem chegar nesta sexta-feira, prazo final, além de cédulas provisórias que faltam para a contagem. Na manhã de sexta-feira, 8.197 ainda estavam pendentes em todo o Estado. / COM W.POST e NYT 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.