Abbas Momani/ AFP
Abbas Momani/ AFP

Com bombardeios em Israel e Gaza, aumenta tensão em cidades divididas por judeus e palestinos

Ataques aéreos aumentam a letalidade do confronto e provocam aumento das tensões em cidades divididas por palestinos e israelenses

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de maio de 2021 | 10h16

Uma nova rodada de bombardeios aumentou o número de mortos no confronto entre israelenses e palestinos. Nesta quarta-feira, 12, autoridades de saúde palestinas confirmaram que 43 pessoas morreram em decorrência dos bombardeios de Israel ao território de maioria árabe, enquanto seis pessoas morreram após o lançamento de foguetes por grupos militantes árabes em alvos israelenses.

O aumento das hostilidades - principalmente por meio das ações aéreas, com os bombardeios de alvos civis e militares -, fez crescer também a tensão no solo. Palestinos de diferentes partes dos territórios ocupados e dentro de Israel, em cidades divididas por árabes e judeus, participam de manifestações e entram em confronto com as forças de segurança, expressando a frustração, em parte com o deslocamento de palestinos de suas terras em Jerusalém Oriental, em parte com a discriminação ao longo do tempo.

O descontentamento palestino cresceu durante anos na ausência de negociações de paz entre os dois lados, e com pouca pressão internacional sobre Israel para fazer concessões aos árabes.

A onda de protestos se espalhou por cidades povoadas por árabes em Israel e partes da Cisjordânia ocupada. Dois dias de ataques israelenses em Gaza, que é controlada pelo Hamas, mataram 43 pessoas e mais de 200 ficaram feridas.

Foguetes disparados por militantes do Hamas e da Jihad Islâmica, um grupo palestino menor, tiveram como alvo as cidades israelenses como Ashkelon, Tel Aviv e Lod, entre outras. Pelo menos seis pessoas foram mortas e outras 100 ficaram feridas, de acordo com autoridades de saúde israelenses. Um israelense foi morto na manhã de quarta-feira, 12, por um míssil antitanque próximo ao perímetro de Gaza.

Para agravar a sensação de crise dentro de Israel, protestos e motins recomeçaram na noite de terça-feira em cidades onde vivem judeus e árabes e centros populacionais árabes em todo o país, enquanto os cidadãos palestinos de Israel expressavam solidariedade com Gaza e frustração com a discriminação contra árabes.

Cidadãos palestinos de Israel se revoltaram em Lod, um desses territórios onde vivem judeus e palestinos, incendiando uma sinagoga e dezenas de carros. Um restaurante de peixe popular de propriedade de judeus pegou fogo na cidade de Acre, e as imagens da televisão mostraram uma multidão de judeus apedrejando veículos árabes em a cidade de Ramla.

A violência atual aumentou após uma batida policial no Monte do Templo, um dos locais religiosos mais importantes do Islã, em Jerusalém, na segunda-feira. Na terça-feira, o conflito se ampliou, com civis de ambos os lados pagando o preço. A velocidade da escalada pareceu ter pegado os israelenses de surpresa.

"O Hamas e a Jihad Islâmica pagaram, e pagarão, um preço muito alto por sua agressão", disse o primeiro-ministro Binyamin Netanyahu em um discurso aos israelenses na terça-feira. "Esta campanha levará tempo", disse ele.

Os militares israelenses, preparados para esta última rodada de combates na fronteira com grupos militantes em Gaza, designaram um codinome para sua operação poucas horas após o início dos ataques mortais: Guardiões das Muralhas, uma referência às antigas muralhas da Cidade Velha de Jerusalém.

Os grupos militantes palestinos tinham seu próprio codinome para sua campanha: Espada de Jerusalém./ NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.