Tolga AKMEN / AFP
Tolga AKMEN / AFP

Com Boris Johnson, Reino Unido ganha 'primeira-namorada' 

Segundo imprensa, assessores de Johnson ainda se dividem sobre como lidar com seu relacionamento com Carry Symonds, 24 anos mais nova 

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de julho de 2019 | 21h35

LONDRES - Enquanto Boris Johnson assumia o cargo de primeiro-ministro, cresciam as especulações sobre o papel que terá no governo sua mais nova namorada, Carry Symonds, de 31 anos. Casado duas vezes, Johnson, de 55 anos, mantém um relacionamento com a ex-diretora de comunicações de seu partido, o Conservador. Symonds trabalhou anteriormente na campanha de reeleição dele para a prefeitura de Londres, em 2012.

Os dois têm sido um casal discreto desde a separação de Boris de um casamento de 26 anos, no ano passado, com Marina Wheeler, de 55 anos. No período que antecedeu a posse, os jornais britânicos se encheram de rumores sobre o futuro papel de Symonds como a “primeira-namorada” e se ela também moraria na residência oficial de Downing Street. Johnson rejeitou discutir o assunto em diversas ocasiões e comentou com membros do partido, na semana passada: “Eu não falo sobre as pessoas que amo”. 

Symonds foi lançada no centro das atenções em junho, quando vizinhos chamaram a polícia após ouvi-la gritar com Johnson durante uma briga na madrugada. Policiais foram até o local, mas não tomaram nenhuma ação.

Ela é filha de Matthew Symonds, cofundador do jornal The Independent, e de Josephine McAfee, advogada com a qual Matthew teve um caso extraconjugal. Carry Symonds começou a trabalhar para o Partido Conservador em 2010 e chegou a ser diretora de comunicações da legenda, mas deixou o cargo no ano passado. 

O jornal Daily Mail informou que ela havia desistido após ser acusada de entregar histórias para a mídia prejudiciais à então primeira-ministra, Theresa May.

Segundo jornais britânicos, os assessores do novo primeiro-ministro estão divididos sobre como lidar com o relacionamento. Alguns temem que apresentá-los como um casal poderia causar problemas de protocolo e chamar a atenção indevida para a história de Johnson como um “traidor em série”.

No entanto, outros assessores acreditam que Carry Symonds poderia exercer um papel importante no governo e creditam a ela uma melhora na imagem de Johnson nos últimos meses. / AFP e REUTERS

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.