EFE/MICHAEL KLIMENTYEV / SPUTNIK / KREMLIN POOL
EFE/MICHAEL KLIMENTYEV / SPUTNIK / KREMLIN POOL

Com cessar-fogo na Síria, Putin anuncia retirada de tropas russas

Presidente russo disse que acatará sugestão de seu ministro de Defesa e reduzirá presença militar no país, mas promete manter 'luta contra o terrorismo internacional'

O Estado de S. Paulo

29 Dezembro 2016 | 13h04

MOSCOU - O presidente da Rússia, Vladimir Putin, anunciou nesta quinta-feira, 29, que reduzirá a quantidade de tropas russas no território sírio em razão da assinatura de um tratado de cessar-fogo entre o governo de Bashar Assad e os rebeldes armados.

Damasco e a oposição síria também assinaram outro documento com medidas de controle do cessar-fogo e uma declaração por escrito na qual se comprometem a "iniciar negociações de paz para a regulação" do conflito, disse Putin em reunião com os ministros das Relações Exteriores e Defesa.

"Os acordos alcançados são, sem dúvidas, frágeis. Exigem uma atenção especial e vigilância", comentou o líder russo. O chefe do Kremlin destacou que a Rússia esperava há "muito tempo" esse acordo entre Damasco e a oposição síria e tinha trabalhado muito para isso junto com a Turquia e outros parceiros regionais.

Putin lembrou que, recentemente, Rússia, Turquia e Irã se comprometeram em Moscou a exercer o papel de "fiadores" do cumprimento dos acordos de paz na Síria. Ao mesmo tempo, Putin anunciou a redução da presença militar russa na Síria, onde os aviões russos estão desde setembro de 2015 e cuja grande parte já havia sido retirada em fevereiro.

"Estou de acordo com a proposta de Defesa sobre a redução de nossa presença militar na Síria, levando em conta que, certamente, continuaremos a luta contra o terrorismo internacional", afirmou. O governante russo acrescentou que a Rússia "também seguirá apoiando o legítimo governo sírio em sua luta contra o terrorismo". / EFE e AFP

Mais conteúdo sobre:
Rússia Vladimir Putin Damasco Turquia Síria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.