Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Ye Aung THU / AFP)
Ye Aung THU / AFP)

Com colapso em Mianmar, Exército confisca oxigênio e o destina a hospitais militares

Variante Delta do coronavírus tem se espalhado pelo país e, em meio a este cenário, os militares, que tomaram o poder em um golpe de fevereiro, ordenaram que o oxigênio seja negado a clínicas privadas

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de julho de 2021 | 20h00

YANGUN - A variante Delta do coronavírus tem se espalhado por Mianmar e, em meio a este cenário, os militares, que tomaram o poder em um golpe de fevereiro, ordenaram que o oxigênio seja negado a clínicas privadas, segundo funcionários médicos. Eles também impediram que as pessoas comprem suprimentos de produtores de oxigênio, aumentando ainda mais o desespero de familiares. De acordo com os médicos, os militares tentam garantir que o escasso suprimento de oxigênio seja canalizado para hospitais militares, que atendem às famílias do Exército. 

“Uma explosão de casos covid, incluindo a variante Delta, o colapso do sistema de saúde de Mianmar e a profunda desconfiança do povo com a junta militar são uma tempestade perfeita de fatores que podem causar uma perda significativa de vidas sem assistência emergencial da comunidade internacional ”, disse Tom Andrews, relator especial das Nações Unidas para os direitos humanos em Mianmar, na quarta-feira, 14. Segundo profissionais da área médica, o impedimento de disponibilização de oxigênio já ocasionou a perda de centenas de vidas, e o número pode aumentar ainda mais.  

A raiva pública contra o Exército - que já matou centenas de pessoas que protestavam contra o golpe, assim como crianças e outros transeuntes - só aumentou. “Eu me pergunto se os militares estão tentando sobreviver fazendo com que não haja mais pessoas no país”, disse Ko Thein Zaw, um residente de Mandalay, a segunda maior cidade de Mianmar.

Diante da revolta generalizada, o governo militar nega as acusações. Na terça-feira,13, o general Min Aung Hlaing, disse ao jornal governamental Global New Light of Myanmar que “o povo não precisa se preocupar tanto com isso e não deve espalhar boatos. Temos oxigênio suficiente”. Mas, na segunda-feira,12, em Yangon, as forças de segurança dispararam contra uma fila de pessoas que esperavam para comprar oxigênio e os soldados têm interrompido ativamente as linhas para obtenção do suprimento. 

Na quarta-feira, uma porta-voz do Ministério da Saúde e Esportes aconselhou as pessoas que desejam monitorar seus níveis de oxigênio no sangue a baixar um aplicativo em seus iPhones. Poucas pessoas em Mianmar, um dos países mais pobres da Ásia, possuem iPhones. E o aplicativo que ela recomendou continha informações incorretas potencialmente perigosas sobre os níveis aceitáveis ​​de oxigênio no sangue.

Há pouca esperança de que o surto de Covid em Mianmar termine em breve, pois, além das dificuldades na obtenção de oxigênio e do aumento no número de casos de infectados - 7.083 pessoas testaram positivo para covid em um dia -, grande parte do suprimento de vacina está sendo reservado pela junta para as suas fileiras leais.  / NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.