Com conquistas dos rebeldes, surgem dúvidas sobre o pós-guerra na Líbia

As lições tiradas do colapso do regime iraquiano ainda estão frescas na mente de todos.

Jonathan Marcus, BBC

20 de agosto de 2011 | 22h00

Após semanas de impasse militar, a situação parece estar mudando na Líbia.

A Otan afirma que as forças anti-Khadafi estão assumindo o controle de locais cruciais e ameaçando Trípoli.

Os rebeldes realmente tomaram cidades importantes, como Zawiya, que tem uma grande importância estratégica, já que ali funcionava a única refinaria que ainda estava sob o controle do regime.

É preciso lembrar, porém, que os avanços dos rebeldes por vezes evaporam na mesma rapidez com que são conquistados.

Ainda assim, as últimas conquistas dos rebeldes trazem muitas novas questões.

Se suas vitórias se consolidarem, isso significa o fim do jogo? Em caso positivo, como ele terminará?

Pós-guerra

Os governos integrantes ta Otan vêm trabalhando de perto com os rebeles, para desenvolver um plano para o período pós-conflito.

As lições tiradas do colapso do regime iraquiano ainda estão frescas na mente de todos.

E a aliança não quer ver o caos se instalando durante um vácuo de poder, que poderia vir acompanhado de mortes por vingança, saques e muitos outros crimes.

Na realidade, a reta final desse conflito traz problemas bem particulares para a Otan, cuja autorização para atuar no país permanece sendo direcionada à proteção dos civis.

Críticos argumentam que isso não passa de ficção, que a Otan está de um dos lados de uma guerra civil e opera em ataques aéreos para balancear o confronto.

A intervenção da aliança começou com o objetivo imediato de proteger os civis de Benghazi das tropas do governo. E a guerra pdoe terminar com a Otan tendo que garantir a segurança da população em Trípoli.

Esse será o verdadeiro teste no entendimento entre os governos ocidentais, os rebeldes e os países que investiram neles, como a Grã-Bretanha e a França. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.