EFE/EPA/ERIK S. LESSER
EFE/EPA/ERIK S. LESSER

Com críticas à organização, Trump ameaça cortar contribuições dos EUA à OMS

Em comentários no Twitter, o presidente americano acusa o braço da ONU de ser "muito focada na China"

Redação, O Estado de S.Paulo

07 de abril de 2020 | 20h23

WASHINGTON - O presidente americano, Donald Trump, ameaçou nesta terça-feira, 7, cortar os recursos dos Estados Unidos para a Organização Mundial da Saúde (OMS), depois de sugerir seu viés favorável à China durante a pandemia de coronavírus.

Trump disse a repórteres que "iria colocar um freio muito forte" aos recursos da OMS, o órgão da ONU cuja maior fonte de financiamento são os Estados Unidos. "Vamos suspender o dinheiro gasto com a OMS", disse Trump, que segue uma agenda do "America First" e já criticou outras agências da ONU e multilaterais. 

Ele não deu detalhes sobre quanto dinheiro seria retido e, minutos depois, durante a entrevista coletiva diária, disse: "Não estou dizendo que vou fazer isso". "Vamos analisar o fim do financiamento", acrescentou. 

Segundo Trump, a OMS "parece ser muito tendenciosa em relação à China. Isso não está certo".  Seus comentários se basearam em uma declaração anterior no Twitter, na qual ele acusava a OMS de ser "muito focada na China". 

Trump perguntou por que a OMS deu "uma recomendação tão errada", aparentemente referindo-se ao conselho do órgão da ONU contra a restrição de viagens internacionais para impedir a disseminação vírus que começou na China.

"Felizmente, rejeitei o conselho deles de manter nossas fronteiras abertas à China desde o início", escreveu Trump, referindo-se à sua decisão de proibir a entrada de pessoas vindas do país asiático.

A China enfrenta críticas em Washington, principalmente dos republicanos, sobre a maneira como lidou com a pandemia e Trump expressou dúvidas sobre a precisão das estatísticas chinesas para casos e mortes.

No entanto, o próprio Trump foi amplamente criticado por subestimar o vírus, que comparou a uma gripe comum e disse estar sob controle nos Estados Unidos, antes de aceitar que se tratava de uma emergência nacional. 

Mais de 12 mil americanos já morreram da covid-19.

Mais cedo, durante sua entrevista coletiva diária, o porta-voz da ONU Stéphane Dujarric rejeitou as críticas feitas pelo presidente dos EUA no Twitter. 

"Para o secretário-geral da ONU (António Guterres), está claro que a OMS, sob a liderança de Tedros Adhanom, fez um ótimo trabalho antes da covid-19, apoiando os países na distribuição de milhões de equipamentos médicos e também com treinamento "de profissionais", afirmou. 

"A OMS demonstrou a força do sistema de saúde internacional", disse o porta-voz, lembrando "o enorme trabalho" realizado na luta contra o ebola na República Democrática do Congo e nos países vizinhos, sob a liderança de Adhanom e "colocando suas equipes na primeira linha "de contenção. / AFP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.