Jim Watson/AFP
Jim Watson/AFP

Com decreto, Donald Trump estabelece prazo de 90 dias para TikTok vender operações no país

A companhia tem contestado as alegações dos EUA de que compartilharia informações de usuários americanos com o governo chinês

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de agosto de 2020 | 12h22

WASHINGTON O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, emitiu decreto no fim da sexta-feira exigindo que a companhia chinesa ByteDance, proprietária do TikTok, venda suas operações em solo americano, dando prazo de 90 dias para que essa transação seja concluída. Em seu decreto, Trump diz que a corporação sediada em Pequim "pode adotar ações que ameacem a segurança nacional dos Estados Unidos".

Com isso, o presidente determinou a venda de todos os ativos usados para apoiar a operação da ByteDance no TikTok dentro das fronteiras dos EUA. Um representante do aplicativo não respondeu diretamente ao decreto, mas emitiu comunicado dizendo que a empresa "está comprometida a continuar a levar alegria às famílias e a carreiras significativas para aqueles que criam em nossa plataforma por vários anos".

A companhia tem contestado as alegações dos EUA de que compartilharia informações de usuários americanos com o governo chinês. A Microsoft e o Twitter já andaram em negociações conversas sobre a aquisição e várias companhias de investimento e de tecnologia têm avaliado o potencial negócio.

Embate

“Os anúncios recentes sobre o (bloqueio) do TikTok e do WeChat são parte de uma tendência mais ampla que começou com a Huawei e a ZTE, mas demonstram uma ampliação do escopo para além apenas de preocupações com segurança nacional para outras mais amplas sobre censura, vigilância e segurança de dados pessoais”, afirma Mary Gallagher, diretora do International Institute na Universidade de Michigan University e professora do Centro para Estudos Chineses da mesma instituição.

Washington adotou a campanha de força total contra a gigante de telecomunicações Huawei, principal nome na corrida pelo oferecimento de tecnologia 5G. A empresa está banida nos EUA, assim como a ZTE, e os americanos fazem pressão para que países aliados, como o Brasil, não admitam a entrada da chinesa na rede de operação 5G. A ByteDance está sendo pressionada a vender uma fatia do aplicativo para a americana Microsoft para poder funcionar. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.