Mike Blake/REUTERS
Mike Blake/REUTERS

Com disparada dos casos de covid, prefeito de Los Angeles ordena que moradores fiquem em casa

Eric Garcetti anunciou novas medidas de lockdown, que limitam reuniões sociais mas isentam serviços religiosos e protestos garantidos pela Constituição

Redação, O Estado de S.Paulo

03 de dezembro de 2020 | 17h59

LOS ANGELES - O prefeito de Los Angeles alertou nesta quarta-feira, 3, que a cidade se aproxima de um “ponto de inflexão devastador”, e ordenou que os moradores fiquem em casa e evitem reuniões sociais ao anunciar novas medidas de lockdown para conter uma disparada de infecções de covid-19.

Sua ordem limita quase todas as reuniões sociais de pessoas de mais de um único lar, espelhando uma diretiva adotada por autoridades de saúde do condado na semana passada, mas isenta serviços religiosos e protestos garantidos pela Constituição.

“Nossa cidade está agora perto de um ponto de inflexão devastador, além do qual o número de pacientes hospitalizados começaria a sobrecarregar nosso sistema hospitalar, por sua vez criando o risco de sofrimento e morte desnecessários”, disse o prefeito, Eric Garcetti, na noite de quarta-feira.

Los Angeles é a segunda maior cidade norte-americana e tem uma população de mais de 3,9 milhões de habitantes. O condado de Los Angeles, que abriga a cidade, registrou 414.185 infecções e um total de 7.740 mortes, de acordo com a LA Public Health.

A maneira de se escapar de uma “situação temida” é evitar se reunir com pessoas de fora do lar sempre que possível, disse Garcetti.

Ele também orientou os estabelecimentos que exigem a presença de trabalhadores a fecharem e estabeleceu restrições às viagens, mas especificou certas exceções a ambos.

As pessoas podem sair de casa “legalmente” para realizar atividades liberadas, como operações de saúde, compras em supermercados e visitas a restaurantes, disse a diretiva. /REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.