Com Egito dividido, comitê de candidato presidencial é atacado

Um incêndio criminoso na sede do comitê de campanha de um candidato que disputa o segundo turno da eleição presidencial do Egito manchou a campanha para uma votação que dividiu a nação entre a escolha de um islâmico conservador ou do último primeiro-ministro do regime deposto de Hosni Mubarak.

YASMINE SALEH E TAMIM ELYAN, REUTERS

29 Maio 2012 | 12h53

Manifestantes atearam fogo em áreas de armazenagem e destruíram computadores na noite de segunda-feira na sede da campanha de Ahmed Shafiq, de 70 anos, ex-chefe da Força Aérea e ex-premiê de Mubarak que avançou para o segundo turno após a votação inicial da semana passada.

Seu rival é Mohamed Mursi, um alto membro da Irmandade Muçulmana, o principal grupo islâmico do Egito e que controla o maior bloco no Parlamento. A votação decisiva para a Presidência acontecerá em 16 e 17 de junho.

Mursi, de 60 anos, conseguiu o apoio de um grupo disciplinado de partidários da Irmandade, que estava banida no regime Mubarak, enquanto Shafiq atraiu os egípcios que querem um homem forte para restaurar a lei, a ordem e a prosperidade após 15 meses de turbulência desde a queda de Mubarak.

Nenhum dos dois ganhou mais de um quarto dos votos no primeiro turno, deixando uma agonizante escolha para uma parte considerável do eleitorado que apoiou os candidatos mais centristas e que não quer um conservador islâmico ou um ex-oficial militar no comando.

Milhares de egípcios foram às ruas na noite de segunda-feira em protesto após os resultados do primeiro turno serem confirmados pela comissão eleitoral. Alguns carregavam cartazes de Mursi com uma cruz sobre o rosto. Mas a maioria gritava palavras contra Shafiq.

Dezenas, então, marcharam da praça Tahrir até a sede do comitê de Shafiq, no bairro chique de Dokki, no Cairo.

"Eles pareciam saber o que estavam procurando e foram diretamente para as salas de armazenamento e atearam fogo usando bombas de gasolina", disse Ahmed Abdel Ghani, de 30 anos, membro da campanha de Shafiq, enquanto vasculhava o local com panfletos de campanha queimados e folhetos espalhados no chão.

A parte principal do comitê escapou das chamas, mas os manifestantes quebraram laptops e computadores dentro da casa, disse ele. Na parede externa da casa estavam as palavras: "Não para Shafiq, não para 'feloul'", uma palavra árabe que se refere a "remanescentes" da era Mubarak.

Shafiq não esconde sua admiração por Mubarak, descrevendo-o como um exemplo a seguir após seu próprio pai. Manifestantes atiraram pedras e sapatos nele quando ele votou no Cairo, na semana passada.

"Nós condenamos o ataque, mas nós ainda não sabemos quem está por trás dele e vamos esperar as investigações. Mas vamos continuar o nosso trabalho e caminho e esperamos que tudo acabe bem", disse um oficial da campanha, que pediu para não ser nomeado.

TRANSIÇÃO SANGRENTA

O ataque foi o mais recente de uma transição para a democracia já confusa e muitas vezes sangrenta desde que generais substituíram Mubarak após uma revolta popular que o forçou a sair do poder em 11 de fevereiro de 2011. O Exército se comprometeu a entregar o poder em 1o de julho.

Mesmo antes do primeiro turno da eleição presidencial, os revolucionários que lideraram as manifestações que derrubaram Mubarak haviam prometido tomar as ruas se Shafiq avançasse na eleição para se tornar presidente da nação mais populosa do mundo árabe.

No entanto, qualquer tipo de violência poderia ajudar a campanha de Shafiq, já que sua carta mais forte é a promessa de rapidamente restaurar a lei e a ordem, que entrou em colapso depois da queda de Mubarak.

Muitos egípcios ficaram felizes em ver a derrota de Mubarak, mas agora estão desesperados por estabilidade para reviver a economia abalada. Shafiq é visto como tendo o apoio do Exército para conseguir isso.

Tanto Shafiq quanto a Irmandade estão agora tentando reunir o apoio de mais eleitores centristas no segundo turno. Mas os jovens líderes da revolta temem que eles estariam entregando a sua revolução ao votar em Mursi ou Shafiq e os liberais também estão profundamente desconfortáveis com os candidatos disponíveis.

Mais conteúdo sobre:
EGITO CANDIDATO ATAQUE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.