Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
SeongJoon Cho/Bloomberg
SeongJoon Cho/Bloomberg

Com foco em China e Rússia, EUA reduzem arsenal militar no Oriente Médio

Mudança ocorre em um momento em que o governo Biden busca aliviar as tensões com o Irã, após uma escalada perigosa em 2019 que resultou no aumento da presença militar americana em toda a região

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de junho de 2021 | 22h00

WASHINGTON - O Pentágono informou nesta sexta-feira, 18, que está reduzindo o número de tropas e unidades de defesa aérea enviadas ao Oriente Médio, confirmando uma informação do jornal Wall Street Journal sobre a realocação de oito baterias antimísseis terra-ar Patriot que estavam na região.

A decisão foi tomada no contexto de uma reorientação de recursos para focar menos no Oriente Médio e mais nos desafios representados por China e Rússia, segundo o jornal. 

"Esta decisão foi tomada em estreita coordenação com as nações anfitriãs e com a intenção de preservar nossa capacidade de cumprir nossos compromissos de segurança", declarou a porta-voz do Pentágono, a comandante Jessica McNulty, por mensagem.

McNulty disse que algumas das unidades estavam sendo transferidas para outros países e outras voltarão aos Estados Unidos para manutenção. Ela não revelou para onde as unidades transferidas estavam sendo enviadas.

A mudança ocorre em um momento em que o governo do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, busca aliviar as tensões com o Irã, após uma escalada perigosa em 2019 que resultou no aumento da presença militar americana em toda a região.

O Wall Street Journal disse que as baterias antimísseis Patriot estavam sendo retiradas do Iraque, Kuwait, Jordânia e Arábia Saudita, e que um sistema antimísseis separado, chamado THAAD, também estava sendo enviado à Arábia Saudita.

Cada bateria requer centenas de soldados e civis para operá-la e dar suporte. “Mantemos uma posição de força na região apropriada à ameaça e estamos convencidos de que essas mudanças não afetam negativamente nossos interesses de segurança nacional”, declarou McNulty.

As forças americanas estão ajustando rapidamente sua presença global à medida que se retiram do Afeganistão, enxergando atualmente uma maior ameaça da China na região da Ásia-Pacífico.

O Pentágono também reduziu sua presença de tropas no Iraque no ano passado para 2.500 soldados, apoiando as forças iraquianas em sua luta contra o grupo jihadista Estado Islâmico.

O Irã ainda é visto como uma grande ameaça no Oriente Médio, mas o governo Biden está em negociações para restaurar o acordo nuclear com Teerã e buscar impedir seu desenvolvimento para uso potencial de armas./AFP e EFE 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.