Com jazz e famosos, Obama oferece jantar a líder chinês

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e sua mulher, Michelle, deram as boas-vindas na noite de ontem, na Casa Branca, a várias celebridades de Hollywood, empresários e personalidades chinesas e norte-americanas, em um jantar de Estado em honra ao presidente chinês, Hu Jintao, que visita o país. O jantar, tipicamente norte-americano, incluiu torta de maçã e sorvete. Na trilha sonora, predominou o jazz.

AE, Agência Estado

20 de janeiro de 2011 | 09h03

Entre as celebridades presentes estavam a cantora Barbra Streisand e seu marido, o ator James Brolin, e a estrela de filmes de ação e comédias Jackie Chan. Além disso, participaram importantes empresários como o diretor executivo da Microsoft, Steve Ballmer, e Jamie Dimon, do banco JPMorgan Chase. Outros convidados eram a estilista Vera Wang, Anna Wintour, diretora da revista Vogue, a artista Maya Lin, a patinadora olímpica Michelle Kwan, e o juiz da Suprema Corte Stephen Breyer. Também participaram os ex-presidentes Bill Clinton e Jimmy Carter.

Houve ausências notáveis, incluindo três dos quatro principais líderes do Congresso. O presidente da Câmara dos Representantes, o republicano John Boehner, que declinou convites prévios de Obama para jantares de Estado; o líder da maioria no Senado; o democrata Harry Reid; e o senador republicano Mitch McConnell, líder da minoria republicana, não participaram. A líder democrata na Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, foi a única das principais lideranças do Congresso a estar no evento.

Os brindes entre os presidentes incluíram as tradicionais promessas de melhores relações em todos os setores. Obama aproveitou o momento para citar um acordo que assegurará que os pandas gigantes da China permanecerão outros cinco anos no Zoológico Nacional Smithsonian, nos EUA. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAObamaHuChinajantar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.