EFE/Carsten Koall
Merkel e Macron discutem mudanças na União Europeia EFE/Carsten Koall

Com Macron, desafio de Merkel será reformar Europa

Merkel deve fazer avançar reforma institucional de Bruxelas, apesar de visão divergente entre Alemanha e França, dizem especialistas

Andrei Netto, Enviado Especial / Templin, O Estado de S.Paulo

22 de setembro de 2017 | 05h00

Prestes a conquistar sua quarta vitória consecutiva nas eleições gerais na Alemanha, a chanceler Angela Merkel terá como maior desafio de seu futuro mandato uma questão internacional: a reforma institucional da União Europeia. Ao lado do presidente da França, Emmanuel Macron, com quem ainda tem divergências, mas ótima relação, a chefe de governo se prepara para lançar as bases de uma transformação profunda de Bruxelas – cujo conteúdo ainda é desconhecido.

A perspectiva de reorganização das instituições do bloco econômico foi aberta pela vitória de Macron nas eleições presidenciais de maio. Pró-Europa e favorável a mais integração, o francês disputou uma eleição tida como crucial para a sorte da União Europeia e venceu todos os candidatos eurocéticos, de extrema direita à esquerda radical. 

Reformista, Macron prometeu mudanças em Bruxelas e encontra na chanceler da Alemanha a parceira ideal para levar as transformações adiante. “As condições para reformar a UE são melhores do que nunca. O primeiro elemento favorável é que Macron é muito pró-europeu e quer reformar as instituições. O segundo elemento é o Brexit. Por fim, Merkel entrará em seu último mandato. Creio que ela deseja preparar seu legado”, avalia Famke Krumbmüller, da consultoria OpenCitiz.

“O mais importante e mais urgente na relação entre Macron e Merkel é a reforma das instituições da UE. A França e a Alemanha têm visões opostas de como a UE deveria se organizar, e provavelmente não será nem como a França deseja, nem como a Alemanha quer. Mas será feito.”

Para Heinrich Oberreuter, cientista político da Universidade de Passau e próximo do Partido Democrata-Cristão, de Merkel, o próximo governo da chanceler terá mesmo de lidar com a reforma da UE. “Creio que seja cedo para dizer se Merkel vai estar próximas às ideias de Macron”, diz, referindo-se à criação de um ministro europeu da Economia e de um Parlamento da zona do euro, propostas francesas. “Há muitas questões sobre a UE na Alemanha, e uma maioria no país não quer uma integração ainda maior. Também será preciso olhar para os países do Leste, que são muito mais nacionalistas em função de suas experiências com a União Soviética.”

Stefan Seidendorf, cientista político do Instituto Franco-Alemão de Ludwigsburg, cita a reforma da UE como mais um exemplo do pragmatismo político da chanceler. “O discurso de Merkel mudou e agora ela faz parte dos que querem ir em frente nas reformas. Mas sua prática é a passos pequenos, sempre com maioria, evitando ficar em minoria”, diz o especialista. “Se houver uma maioria em favor de reformas profundas, as reformas ocorrerão. Caso contrário, ela vai seguir pragmática.” 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.