Com o apoio do Brasil, missão resgata mais dois reféns das Farc

Vereador que estava em cativeiro havia 20 meses pede mobilização nacional pela paz.

Claudia Jardim, BBC

11 de fevereiro de 2011 | 22h03

O vereador Armando Acuña foi solto após 20 meses de cativeiro

Dois reféns que haviam sido sequestrados pelas Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) foram resgatados por uma missão humanitária nesta sexta-feira, com ajuda do Brasil. Já o outro refém, o fuzileiro naval Henry López, de 25 anos, estava em poder da guerrilha havia 8 meses. Ao ser libertado, Acuña fez um apelo ao governo, às Farc e à sociedade colombiana para que apoiem um intercâmbio humanitário que permitiria o resgate dos demais reféns que ainda estão em cativeiro.

"Sofri na pele os rigores da guerra, (...) vamos apoiar união nacional pela paz".

"Acredito que está nas mãos de cada colombiano a semente da paz e do futuro", disse Acuña, que desceu do helicóptero vestido de terno e gravata. Nas mãos, trazia uma camiseta de um time de futebol. "Temos que terminar essa guerra. É o povo colombiano quem esta perdendo", acrescentou.

Selva

O helicóptero brasileiro que transporta a missão humanitária pousou em dois diferentes pontos da selva colombiana para resgatar cada um dos reféns.

A bordo estavam a ex-senadora Piedad Córdoba, principal mediadora com a guerrilha, o Comitê Internacional da Cruz Vermelha, membros da organização civil Colombianos e Colombianas pela Paz, além da tripulação brasileira.

A aeronave chegou ao aeroporto de Florencia, no departamento de Caquetá, às 15H50 hora local (17h50 em Brasília).

Em seguida, os ex-reféns embarcaram em um voo para a capital Bogotá, onde encontrarão seus familiares.

Um segundo helicóptero brasileiro cedido para reforçar as tarefas de resgate foi acionado emergencialmente, para atender a um soldado colombiano ferido por uma mina.

A aeronave brasileira teve de substituir o trabalho que usualmente seria feito pelo Exército colombiano devido ao acordo estabelecido entre a guerrilha, missão humanitária e governo determinam a suspensão de toda atividade militar na zona onde estão sendo realizados os resgates dos reféns, incluindo os sobrevoos.

Risco A missão esteve a ponto de ser cancelada, quando o governo colombiano denunciou que em meio ao processo de libertação dos reféns, outras duas pessoas teriam sido sequestradas pelas Farc. O presidente Juan Manuel Santos disse que a guerrilha atua com uma "dupla moral" e que esteve "tentado" a suspender os demais resgates previstos para esta sexta-feira e domingo. "É totalmente inaceitável que as Farc, de um lado, estejam libertando reféns como um gesto de generosidade e, de outro, capturem mais pessoas."

Os novos reféns das Farc são dois trabalhadores de uma empresa de papelão na região de El Tambo, departamento (Estado) do Cauca, no sul do país. Eles foram sequestrados, de acordo com o governo colombiano, na terça-feira à noite, horas antes do início do resgate reféns. Na quarta-feira, foi resgatado o vereador Marcos Vaquero, de 33 anos, sequestrado havia 18 meses. No domingo devem ser libertados o major da polícia Guillermo Solórzano, de 34 anos, e o cabo do Exército Salin Sanmiguel, de 25, em Tolima (centro). Se concretizado este último resgate, ainda restarão em poder das Farc 16 reféns considerados pelas FARC como "prisioneiros políticos", que de acordo com Piedad Córdoba poderão ser libertados até o mês de junho. A mais antiga guerrilha colombiana chegou a ter em seu poder 60 reféns "políticos". Desde 2008 as Farc já colocaram em liberdade 15 sequestrados, alguns conseguiram fugir e o Exército colombiano resgatou à força 19 pessoas, entre elas a ex-candidata presidencial Ingrid Betancourt. Com estas libertações, se reacende na Colômbia a expectativa para a abertura de um diálogo de paz que leve ao fim do conflito armado que já dura mais de seis décadas. As FARC dizem estar dispostas a um "diálogo político". O governo Santos, no entanto, diz que não haverá negociação se as Farc não abandonarem "o sequestro, terrorismo e práticas de extorsão".BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.