Com país em clima de guerra, filipinos abandonam suas casas

Os moradores de vários povoados da ilha de Sulu, que fica no sul das Filipinas, começaram, nesta segunda-feira, a abandonar suas casas por causa do aumento da tensão entre o Exército e a Frente Moura de Libertação Nacional (FMLN), que no fim de semana reteve uma equipe de negociadores do governo.Segundo fontes policiais, a evacuação aconteceu depois de um número não determinado de membros do FMLN armados ocuparem a estrada nacional que liga Luuk a Jolo, capital da ilha, para defender seu acampamento de Jabal Uhod diante do aumento da presença militar na região.O chefe da Polícia Nacional das Filipinas, o superintendente Oscar Calderón, colocou seus 180 mil agentes em estado de alerta e ordenou aos comandantes que vigiem instalações e pontos estratégicos da região, além de seguir de perto todos os movimentos do FMLN em Mindanao.A equipe de negociadores do governo das Filipinas retida na ilha de Jolo pôde retornar neste sábado a sua base.A libertação ocorreu após a confirmação de que o FMLN participará de uma reunião tripartida em março, possivelmente em Jeddah (Arábia Saudita), junto com representantes do overno e da Organização da Conferência Islâmica (OCI).Segundo disse à emissora local DZBB o general Mohamad Ben Dolorfino, líder do comitê negociador, a reunião de março tratará o descumprimento por parte do governo de partes do acordo de paz de 1996 entre Manila e o FMLN.A retenção ocorreu aparentemente por causa de uma informação nos jornais locais que assinalava que não seria permitida a participação do líder detido do FMLN, Nur Misuari, em conversas entre o governo e a OCI.Misuari, à frente do FMLN, assinou a paz como governo em 1996, embora tenha liderado uma revolta quando estava a ponto de finalizar sua estadia como governador da Região Autônoma da Mindanao Muçulmana, em 2001.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.